Arquivo da tag: IAF

Mulheres e Juventudes protagonizam o XI Encontro Ampliado da Rede Ecovida de Agroecologia

Com o tema “Gênero, Geração e Conhecimento”, o XI Encontro Ampliado da Rede Ecovida de Agroecologia, realizado em Anchieta (SC) entre os dias 15 e 17 de novembro, foi marcado pelo protagonismo das mulheres e das juventudes da Agroecologia. 

Texto: Carú Dionísio e Clara Comandolli 
Fotos: Clara Comandolli

Quando o lema “Sem Feminismo, não há Agroecologia” apareceu pela primeira vez num Encontro Ampliado da Rede Ecovida, em 2017, o clima foi de algum estranhamento e surpresa. Mas, dito já nos finalmentes da Plenária Final do X EARE, com o burburinho da Feira de Saberes e Sabores ao fundo, passou discretamente. Dois anos depois, no embalo da grande participação feminina em ações de massa nas ruas do Brasil e da discussão de gênero ganhando corpo desde a Articulação Nacional de Agroecologia aos grupos da Rede Ecovida, o lema veio para a Plenária de Abertura do Encontro, convocado não por algumas, mas por muitas companheiras.  

Além do protagonismo das mulheres, outra marca do XI EARE foi o destaque na participação das juventudes. A mesa de abertura foi toda feminina, com mulheres jovens e mais experientes ocupando os espaços principais de fala. 

Sem feminismo, não há Agroecologia

Uma das convidadas para este momento foi Miriam Nobre, da organização feminista Sempre Viva (SP) e integrante da da Marcha Mundial das Mulheres e do GT de Mulheres da Articulação Nacional de Agroecologia (ANA). Miriam trouxe um histórico da discussão de gênero no movimento agroecológico a partir dos Encontros Nacionais de Agroecologia (ENA). Lembrou que o lema “Sem feminismo, não há Agroecologia” veio à tona pela primeira vez no terceiro encontro, em 2014, trazendo avanços para o debate. No encontro seguinte, as mulheres negras e indígenas chamaram a atenção também para as suas lutas porque “a experiência das mulheres não é uma só. Há diversidade e desigualdades entre nós”, comentou Miriam. 

No IV ENA as mulheres afirmaram estar “em fúria feminista”, por conta do contexto das eleições de 2018 e foram protagonistas do movimento #EleNão, como lembrou Miriam, por temer o aprofundamento das políticas neoliberais. Miriam aponta que “o neoliberalismo transfere toda a insegurança e vulnerabilidade da vida para nós, trabalhadores e trabalhadoras, principalmente para as mulheres”. Um exemplo são os cortes feitos no Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), medida que pesa mais sobre as mulheres, historicamente responsáveis pelos cuidados com a alimentação familiar.

Miriam falou também sobre o sexismo institucional existente e que desconsidera a mulher como agricultora quando o marido não é. O sítio leva o nome do marido, mas quem acorda primeiro e vai dormir depois em muitos casos são as mulheres, que acumulam ao trabalho na agricultura os afazeres domésticos, desconsiderados como trabalho.

Foi pensando nesta realidade que o GT de Mulheres da ANA, em parceria com o Centro de Tecnologias Alternativas da Zona da Mata de Minas Gerais (CTA-ZM), elaborou a Caderneta Agroecológica, usada pelas mulheres para registrar a produção de seus quintais e hortas, anotando o que é para autoconsumo, o que é vendido, trocado, doado ou ganhado. A ideia da caderneta é dar visibilidade ao trabalho das mulheres do campo, mostrando como as “miudezas” de seus quintais produtivos têm grande impacto positivo na renda familiar, contribuindo para a valorização da participação feminina na economia  e para o enfrentamento da divisão sexual do trabalho. “A gente quer, junto com os companheiros, organizar a economia não baseada no lucro, mas colocando a vida no centro. E colocar a vida no centro é outra forma de dizer: ‘sem feminismo, não há Agroecologia’”, disse.

Companheiros conferem os recados das mulheres da Rede, estampados em bandeiras produzidas nos Núcleos.

Por fim, Miriam lembrou que o machismo afeta também a vida dos homens. Ela os convidou a expressarem seus sentimentos e a somarem no combate à violência contra as mulheres, não apenas nos casos de violência física quando ela já aconteceu. “Nós, homens e mulheres, queremos ser tão diversos quanto a natureza é”, disse e completou dizendo que nossa luta é pela liberação de territórios: do machismo, dos transgênicos e dos agrotóxicos.

Juventudes: “não queremos só a sucessão. Queremos construir a nossa Agroecologia”

As juventudes também estiveram presentes na Plenária de abertura, chamando a atenção para os conflitos intergeracionais existentes na agricultura familiar. A jovem agricultora de Pelotas (RS), Luana Kerstner Schiavon, falou sobre a importância do diálogo e da escuta entre jovens e pais trabalhadores rurais. “Na agricultura familiar todos trabalham, porque ninguém faz sozinho”, comentou Luana, mas mesmo assim é muito comum os/as jovens agricultores/as, em especial as mulheres, serem desconsideradas como corresponsáveis pela produção.

A juventude é um tempo de muitos questionamentos e incertezas, lembrou Luana, e por esse motivo a educação do campo é extremamente importante no reconhecimento do “quem sou eu”. Acesso à educação, liberdade para escolher e a confiança dos pais foram algumas das demandas colocadas pela juventude agroecológica, que quer sucessão familiar e não apenas a herança da propriedade.

Luana compõe a coordenação geral da Rede Ecovida e disse ainda que os/as jovens precisam ocupar os espaços de deliberação e decisão política. Fala reforçada por Cristina Sturmer dos Santos, da Cooperativa de Produção Agropecuária Vitória (COPAVI), gerida por assentados da Reforma Agrária  no município de Paranacity (PR). Por lá, toda a gestão é feita por mulheres e jovens, que representam a maioria dos/as cooperados/as. Ainda assim, Cris  afirma: “Falar de gênero, geração e feminismo nunca é uma coisa pacífica. É cheia de conflitos e contradições”.

Outras demandas da juventude foram colocadas no seminário Juventudes Agroecológicas: rebeldia com causa, realizado na manhã do sábado, 16 de novembro. Ao longo da conversa, a principal queixa da juventude agroecológica foi a desconfiança e o não reconhecimento dos mais velhos. A grande maioria disse que uma das razões para o abandono do jovem do campo é a falta de consideração com as ideias e opiniões deles/as, seja na gestão da propriedade familiar ou na sua participação política dentro dos grupos e núcleos da Rede Ecovida.

Bruna Richter Eichler, agricultora de Venâncio Aires (RS), disse que se não fosse os jovens levando a Agroecologia para a propriedade, algumas famílias até hoje não teriam saído da agricultura convencional. É essa situação que a estudante e agricultora Gabriela Mariga enfrenta hoje. Ela estudou em colégio agrícola no município de Paulo Bento (RS) e conta que os professores “só ensinavam a plantar milho e soja”, principais culturas da região. 

Apesar de nunca ter ouvido falar sobre as práticas agroecológicas em sala de aula, Gabriela encontrou na biblioteca da escola um livro de Ana Primavesi, uma das precursoras da Agroecologia. A partir daí se encantou pelo movimento e passou a se aprofundar no tema. Hoje ela estuda Gestão Ambiental da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul (UERGS). 

“Quando eu falava em Agroecologia os professores me chamavam de louca e as pessoas perguntavam por que eu queria voltar para o passado”, coisa que ouve também dentro de casa, comenta Gabriela. Na propriedade dos pais o cultivo é convencional, então  ela recorreu ao CETAP, organização que apoia a Agroecologia no Rio Grande do Sul, para poder participar do XI EARE. No Encontro se sentiu em casa: “aqui tu é aceita. Lá eles acham que não se produz sem veneno”, disse.

Ao final do seminário foi encaminhada a criação de um GT da Juventude da Rede Ecovida, que colocou como uma de suas prioridades a inclusão da participação de 30% de jovens nas coordenações da Rede. Além disso, foi mencionada a importância do incentivo à cultura e lazer e à comunicação pela valorização da Agroecologia, acesso à educação, formação em marketing e empreendedorismo. Na ocasião também foi criado um GT de Arte e Cultura, com o intuito de pensar e promover místicas, músicas e momentos culturais para os eventos da Rede e assim contribuir com as reflexões da Agroecologia. “A mística e a cultural são tão importantes quanto os momentos de debates”, disse Bruna Richter Eichler, que abrilhantou musicalmente o encontro com sua banda. 

Seminários e oficinas discutem questões técnicas e políticas da Agroecologia

Na manhã do sábado, 16, também foi realizado o seminário Momento político atual e a agroecologia: quais são nossos caminhos?  Mais do que pensar questões e conflitos partidários, o Seminário foi dedicado a resgatar um pouco da caminhada da Rede Ecovida e de outras redes de Agroecologia do Brasil em suas construções por outro modelo de agricultura e de relação com território, além da participação de políticas públicas neste desenvolvimento.

A professora Cláudia Schmitt, da UFRJ e da Associação Brasileira de Agroecologia, trouxe dados sistematizados pelas redes que participaram do projeto ECOFORTE (apoiado pela Petrobrás) entre 2015 e 2016, mostrando que a maioria delas acessaram programas como o PNAE, PAA e até o Bolsa Família. A conjuntura atual, entretanto, é de desmonte dessas políticas, avaliou Cláudia, com acordo dos/as participantes: “nesse processo, primeiro retiram-se recursos, desestruturam-se as instituições e os espaços de participação social”, disse.  O ruir das políticas públicas afeta também as ações coletivas nos territórios, o que, por sua vez, tem impacto nos agroecossistemas.

“Mesmo assim, as redes não param”, disse Claudia. Neste sentido, Alvir Longhi, da organização CETAP (RS), convidou os/as participantes a pensarem temas aglutinadores – além do SPG – que poderiam constituir a estratégia política da Rede Ecovida para os próximos anos. O trabalho em torno da sociobiodiversidade e novas dinâmicas de comercialização, abarcando também a economia solidária, foram alguns dos temas levantados. Marilu Menezes, da Fundação Luterana de Diaconia (FLD), afirmou que “a Rede precisa assumir como eixo estratégico a superação de toda forma de violência de gênero, raça, etnia e orientação sexual”. 

Loyvana Perucchi, do Núcleo Serramar da Rede, lembrou da importância de termos formações políticas no âmbito dos núcleos e grupos. O vereador Marquito, de Florianópolis, trouxe a estratégia da construção de projetos de lei estaduais e municipais para avançar localmente na Agroecologia ainda que o cenário em nível federal esteja desfavorável. Também foi afirmada a importância de fortalecer a comunicação popular nas organizações da Rede, já que a disputa também é narrativa.

A programação também contou com os seminário sobre Produção local e ecológica de sementes e mudas, Sistemas agroflorestais e agrobiodiversidade e Produção animal: leite, aves de corte e ovos.

Durante a tarde os mais de 700 participantes do encontro, entre agricultores/as, consumidores/as e profissionais e organizações de apoio à Rede Ecovida se dividiram entre as 29 oficinas realizadas. Entre elas, a oficina sobre consumo consciente, facilitada pelo grupo de consumidores formados pelo Cepagro, em conjunto com o CETAP, Vianei e ASPTA, com apoio da Misereor.

O GT Gênero promoveu a oficina Mate e Debate sobre Gênero, reunindo mulheres dos três estados da Rede. Além de relatos de diversos tipos de violências que ainda acontecem em espaços públicos e privados da Rede, as mulheres colocaram também a importância de continuar os ciclos de encontros locais e regionais entre elas, como o I Encontro de Mulheres da Rede Ecovida de Agroecologia, realizado em Erechim em setembro. 

Nos intervalos, a tradicional Feira de Saberes e Sabores trazia toda a riqueza da produção da agricultura familiar agroecológica do sul do Brasil.

Plenária final traz encaminhamentos para a Rede e mostra força da união feminina

O XI EARE encerrou com a Plenária Final na manhã de domingo. Como de costume, neste momento a Rede deu as boas vindas aos novos Núcleos, que haviam sido anunciados no EARE de 2017: Núcleo Vale do Itapocu (SC), Núcleo Sudeste Gaúcho (RS), Núcleo Centro-Sul (PR) e Guarumbé (PR).

 Ivo Macagnan, do CAPA Saltinho e da coordenação da Rede, apresentou alguns  anúncios: hoje a Rede Ecovida conta com 3.400 famílias certificadas, o que representa quase 20%  dos certificados de produção orgânica no Brasil. Outro motivo de comemoração foi a dos avanços do sistema informatizado para a certificação participativa e do equilíbrio das contas da Rede.
Foi apresentada também a nova coordenação da Rede Ecovida.

Do seminário Sistemas agroflorestais e agrobiodiversidade, foi afirmada a necessidade de  fomentar a utilização de PANCS; de as ações de ATER retornarem para os agricultores familiares, que são os verdadeiros observadores e experimentadores; de avançar na certificação agroflorestal. “A Agroecologia é a agricultura do futuro, precisamos lutar para fortalecê-la”, disse Israel Lourenço, integrante do MST e relator.

Sobre Produção local e ecológica de sementes e mudas, os/as relatores/as afirmaram que a Rede Ecovida está preparada e tem capacidade para ter autonomia desses insumos em suas produções. “Precisamos olhar para as experiências que já existem e companheiros/as que já produzem mudas e sementes, fazer parcerias e visitas às instituições que trabalham o tema, formações para a circulação de conhecimento, não ver a semente de uma forma romantizada mas estratégica, fortalecer e honrar nossas sementes crioulas”, disseram. 

Na temática de Produção Animal, afirmou-se a necessidade de ampliar a produção animal na Rede Ecovida para além de bovinos e aves, fortalecer as agroindústrias de tratamento de leite, avançar na agroindustrialização coletiva, fortalecer a homeopatia no tratamento de doenças animais. Além disso, propôs-se que derivados de leite agroecológico sejam ofertados na alimentação escolar, assim como a sugestão de a Rede Ecovida editar um compêndio de receitas ecológicas para tratamento de animais.

Fechando a Plenária, as mulheres ocuparam novamente o palco para trazer encaminhamentos trabalhados pelo GT Gênero ao longo do ano, que envolvem a inclusão do tópico sobre violência de gênero e outras violações de direitos humanos como passível de perda de certificado no Manual de Procedimentos da Rede. Além disso, as mulheres anunciaram o requisito de todo Comitê de Ética de Núcleo, uma das instâncias da certificação participativa, ter uma mulher em sua composição. E chamaram a atenção para a importância das mulheres das famílias participarem nas visitas e reuniões da Rede. A intervenção foi fechada novamente com o lema Sem Feminismo, Não há Agroecologia, com o repasse da bandeira do movimento das mulheres, construída coletiva e localmente nos núcleos, para as companheiras que receberão o próximo Encontro Ampliado. O XII EARE será em Pinhão, no Paraná, com acolhimento do recém-formado Núcleo Centro Sul.

A alimentação é um ponto importante dos Encontros Ampliados da Rede Ecovida. Nesta edição, a preparação das refeições foi feita por seis chefes do Movimento Slow Food, em conjunto com quatro restaurantes locais. Foram servidos cerca de 1500 pratos por dia, feitos com alimentos agroecológicos dos agricultores e agricultoras da Rede, com um menu especialmente pensado para os/as vegetarianos/as.

Os chefes se dividiram entre os restaurantes seguindo um rodízio e  o ecochef do Convivium Slow Food Mata Atlântica, Fabiano Gregório, conta que todos os restaurantes queriam receber o menu vegetariano em algum momento, principalmente para aprender coisas novas: “Foi uma interação bem bacana, teve bastante troca de experiências e foi muito engrandecedor”, conta.

No domingo, os chefes do Slow se reuniram no Salão Paroquial para o almoço coletivo de despedida do XI EARE, uma forma de aproveitar os alimentos preparados sem gerar desperdício. Além de ser um momento de confraternização e celebração de mais um encontro realizado que deixou um gostinho de quero mais.

Rede Povos da Mata fortalece a Agroecologia na Bahia

Consolidada em 2016, a Rede Povos da Mata reúne hoje 700 famílias agricultoras de 4 regiões da Bahia. Nos dias 12 e 13 de julho foi realizado o II Encontro da Rede, em Irecê, no sertão baiano. O Cepagro esteve lá e conta um pouco do que rolou.

Paula Ferreira na abertura do Encontro

“Irecê tem a maior Feira Orgânica certificada da Bahia. Não somos mais pequenos agricultores de fundo de quintal. Produzimos toneladas de alimentos! Queremos assumir o compromisso de fornecer para a alimentação escolar na região. Temos produção pra isso”. Contrariando o senso comum que associa a agricultura familiar – sobretudo a agroecológica – com algo “pequeno” ou “sem escala”, a agricultora Paula da Silva Ferreira defendeu que Agroecologia é sim uma opção para alimentar a população com qualidade e quantidade. Paula é coordenadora de um dos núcleos da Rede de Agroecologia Povos da Mata e falou durante a abertura do II Encontro da Rede, realizado em Irecê, no sertão baiano, nos dias 12 e 13 de julho. Credenciada em 2016 como um organismo participativo de certificação orgânica, a Rede Povos da Mata está presente hoje em 28 municípios baianos do Litoral, Sertão, Chapada Diamantina e Recôncavo Baiano, envolvendo 700 famílias agricultoras, sendo 300 delas certificadas, além de 6 agroindústrias. “Nosso compromisso nos próximos 2 anos é continuar colaborando e qualificar o que já temos. Não temos meta de criar mais tantos grupos ou núcleos”, afirma Tatiane Botelho, que foi presidente da Rede até este Encontro, quando nova diretoria foi empossada.

O Encontro reuniu mais de 450 pessoas ao longo dos dois dias de atividades, que tiveram o objetivo de discutir as perspectivas da Rede para o fortalecimento da produção agroecológica de alimentos de base ecológica, assim como o consumo consciente de alimentos saudáveis. Neste sentido, tanto Paula Ferreira quanto Tatiane Botelho, que estava presidente da Rede Povos da Mata, aproveitaram a presença de representantes do Ministério da Agricultura e do Governo baiano na  abertura do Encontro  para apresentar perspectivas e demandas para fortalecer a produção e ampliar o acesso a alimentos agroecológicos. Consolidar o fornecimento de alimentos orgânicos para a alimentação escolar e prover infra-estrutura para as feiras orgânicas da região, como barracas e veículos, foram algumas das necessidades elencadas no evento. As coordenadoras da Rede também ressaltaram a importância de parcerias, como a do SEBRAE e da BAHIATER (a empresa pública de assistência técnica e extensão rural) tanto no apoio do evento quanto para o trabalho das famílias.

Feira Agroecológica e análise de conjuntura abrem o Encontro
Nada como uma Feira Agroecológica para iniciar um Encontro de Agroecologia. E no da Rede Povos da Mata não foi diferente: dezenas de famílias dos 4 núcleos da Rede trouxeram alimentos, cosméticos naturais e artesanatos para comercializar, mostrando a riqueza e a diversidade da produção agroecológica.O grupo de Agroecologia Pé de Serra reúne 17 famílias da região de Uibaí, no sertão baiano. Elas produzem hortaliças, legumes e frutas orgânicas e compareceram na Feira do Encontro da Rede Povos da Mata.


Além de conhecer a força da produção agroecológica na caatinga , no Encontro foi possível provar o chocolate orgânico produzido pelas famílias do Assentamento Terra Vista, município de Arataca, onde trabalham 55 famílias. Uma delas é a do jovem agricultor Daniel de Lima Santos.


A Rede Povos da Mata abrange também a comunidade pataxó do Sul da Bahia. Durante o encontro, as mulheres pataxó da região de Porto Seguro trouxeram seus artesanatos e também o mel orgânico que está em processo de certificação pela Rede.

Na palestra de abertura, Rogério Dias, da Associação Brasileira de Agroecologia, trouxe uma análise de conjuntura da Agroecologia no Brasil e as perspectivas de resistência da produção agroecológica de alimentos. Para Rogério, “a mudança de governo acelerou o desmonte de políticas públicas para Agroecologia que já vinha acontecendo desde o golpe de 2016”. Uma delas é própria Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica, instituída em 2012. Rogério avalia que “A PNAPO acabou, mas ainda precisamos confirmar quando sair o Plano Plurianual pra Agricultura. Mas não temos nenhuma garantia que haverá recursos para fomento da Agroecologia”.

Rogério, entretanto, lembra que “o Brasil não é só o Governo Federal. Os estados também têm Planos Plurianuais de Agricultura”. O agrônomo ressalta que a pressão da sociedade e a atuação das redes agroecológicas são fundamentais para resistir ao desmonte de políticas públicas para agricultura familiar, agroecologia e segurança alimentar. E reforça que “neste momento, temos que incomodar. Podemos incomodar sozinho, como um bicho de pé faz. Mas, se formos um bando de formigas lava-pés, incomodamos mais ainda”.

O tema do outro painel da tarde era Os impactos dos agrotóxicos na saúde humana, mas a nutricionista Valéria Cristina Paschoal preferiu abordar os benefícios dos alimentos orgânicos. A partir de revisão bibliográfica de artigos científicos, Valéria afirma que as plantas manejadas agroecologicamente crescem mais resistentes,  essa resistência é repassada aos alimentos, aumentando a imunidade de quem os consome. Neste sentido, os alimentos da caatinga são os que trazem mais benefícios, pois crescem num ambiente extremamente adverso. Para manter essa produção, Valéria reafirma a importância da valorização da agricultura familiar: “Não existem pessoas mais cultas que os/as agricultores/as. Porque a agricultura é uma das primeiras formas de cultura que o ser humano desenvolveu”, disse.

Comida de verdade, no sertão e na cidade
Caracterizado pelo clima seco da caatinga, Irecê está num território de 20 municípios que abrange aproximadamente 44 mil famílias agricultoras. Em meio aos monocultivos de feijão com uso pesado de agrotóxicos e adubos químicos, cerca de 130 famílias cultivam a Agroecologia, articuladas na Rede Povos da Mata.

Uma dessas famílias é a de Lindomar Lins, do município de São Gabriel. Lindomar sempre trabalhou na roça, e até 2011 cultivava somente pepino e beterraba em sua propriedade, utilizando adubos químicos e agrotóxicos. Através da sensibilização e assistência técnica da empresa pública de extensão rural, Lindomar iniciou sua transição agroecológica. Com o estabelecimento da Rede Povos da Mata na região a partir de 2016, Lindomar pôde certificar sua produção como orgânica. Hoje, ele produz de 40 a 45 variedades de alimentos numa área de apenas 1,5 hectare, que tem tanto uma horta diversificada quanto um Sistema Agroflorestal. A observação do ciclo natural dos cultivos somada ao uso racional da irrigação com cobertura de solo e à produção própria de adubos e insumos orgânicos colabora para as colheitas de Lindomar, que faz 3 feiras orgânicas por semana na região. “É só entender a Natureza e trabalhar com ela que dá tudo certo”, afirma o agricultor. Os/as participantes do Encontro visitaram a propriedade de Lindomar durante uma oficina de Certificação Participativa realizada no evento. 

O trabalho de promoção da Agroecologia na região iniciou em 2011, muito pela atuação do agrônomo Edvaldo Reinaldo Filho, da empresa pública de extensão rural, a Bahiater. Além de práticas e insumos agroecológicos, ele orienta as famílias sobre o uso racional da água, já que ali os cultivos são irrigados, dependendo de poços artesanais. “Quando trabalhamos a cobertura do solo com palhadas, restos de culturas e estercos estamos utilizando tecnologias de convivência com o semiárido, além de aproveitar os insumos da própria unidade produtiva. Desta forma, há uma redução de perdas de umidade do solo, reduzindo a evaporação, além de melhorar a temperatura do solo, proporcionando melhor desenvolvimento das plantas”, explica Reinaldo. “O manejo ecológico do solo é fundamental para evitar erosão e compactação do solo, proporcionando uma melhor absorção da água de chuva e de irrigação e a permanência da biota do solo”, completa.

Através da participação na Comissão de Produção Orgânica da Bahia, Reinaldo conheceu a Rede Povos da Mata e convidou representantes para virem conhecer as famílias agricultoras do Sertão. O contato com a Rede Povos da Mata potencializou a organização dos/as agricultores/as agroecológicos de Irecê, que formaram o Núcleo Raízes do Sertão. “Depois da primeira reunião, já saíram 4 ou 5 grupos de famílias”. No âmbito da Rede, as famílias puderam não só certificar sua produção, como abrir novos canais de comercialização – tanto é que do sertão elas enviam alimentos orgânicos para a merenda escolar de Ilhéus, no Sul da Bahia. Além disso, o Raízes do Sertão promove outras 10 feiras agroecológicas na região, sendo que a de Irecê é a maior com certificação do estado, como lembrou Paula Ferreira na abertura.

A agricultora Thais Teixeira da Rosa veio de Porto Seguro, a 900km dali, para o Encontro e ficou encantada com a força da produção no sertão. A visita à propriedade de Lindomar agregou ainda mais conhecimentos para a agricultora, que também já observa os benefícios da cobertura do solo e ficou muito interessada nos insumos usados em Irecê. “Meu desafio ainda é a produção da cebola, mas vou insistir e experimentar, até encontrar o jeito certo”, afirma a agricultora. Ela já comercializava alimentos na feira, mas não tinha certificação. “Quando a gente ia vender, falava que era orgânico. E o consumidor falava: prova. Então o selo veio pra isso, pra provar pro consumidor. E também oferecemos as visitas”. Apesar de não usar agrotóxicos, Thaís ainda utilizava adubos químicos na produção. “Mas quando a Adriana [ técnica da Secretaria de Agricultura ] veio aqui pra fazer a transição, eu não tive dúvida. Porque quero que meus netos comam saudável e tenha ganhado isso de mim. Que eles digam: minha vó plantava orgânico!”, conta a agricultora. Como parte de sua transição, ela passou a produzir seus próprios adubos: “Lá em casa sou eu que adubo. Eu faço compostagem, faço meu biofertilizante. Eu que adubo”, afirma a agricultora, batendo no peito. E Thaís quer mais: “Eu ainda peco porque não fiz uma análise de solo. Também tenho vontade de levar meus produtos num laboratório, pra ver que tá livre de tudo. Mas ainda não tenho recursos pra isso. Mas quero fazer um banner, quero mais! Cada vez mais diversidade. Porque pra mim não adianta comprar o alface comigo e o resto dos alimentos virem do mercado, envenenados”.

Representantes de organizações de Alagoas, Rio Grande do Norte, Minas Gerais e Maranhão também participaram do evento, através do apoio da Inter-American Foundation. Walter dos Santos, da comunidade quilombola Piqui da Rampa, no Maranhão, veio através da Caritas Maranhão, apoiada pela IAF. Ele conta que “vejo que aqui a turma sofre uma pressão tão grande, que busca o conhecimento. Fiquei muito feliz com a oportunidade de vir aqui e trocar esses conhecimentos, quero levar de volta pra minha comunidade”. A agricultora e guardiã de sementes Ana Maria da Silva Gomes, do Rio Grande do Norte, foi mobilizada pela Comissão Pastoral da Terra e garante que “vou levar uma carrada de sabedoria de volta para as minhas companheiras do assentamento”.

Cepagro volta a El Salvador para debater Políticas Públicas e fortalecer articulações agroecológicas

A convite da Fundación para el Desarrollo Socioeconómico y Restauración Ambiental (FUNDESYRAM) – organização parceira do Cepagro no projeto apoiado pela IAF -, nosso coordenador de desenvolvimento rural, Charles Lamb, esteve em El Salvador entre os dias 13 e 18 de maio, participando do Fórum “POLÍTICAS PÚBLICAS PARA EL FOMENTO DE LA AGROECOLOGÍA EN EL SALVADOR” e conhecendo o trabalho de fomento à Agroecologia no país centroamericano. “Foram dias de diálogo muito aberto sobre as iniciativas e contextos atuais no Brasil e de El Salvador relacionados à organização de base e promoção da agroecologia. Há muitas semelhanças e compartilhamento de saberes, conhecimentos técnicos e metodológicos”, afirma Charles.

O Fórum “POLÍTICAS PÚBLICAS PARA EL FOMENTO DE LA AGROECOLOGÍA EN EL SALVADOR” foi realizado no dia 16 de maio na capital, San Salvador, com o objetivo de  “elaborar propostas de políticas públicas nacionais e locais que apóiem a promoção da agroecologia para a produção e consumo de alimentos saudáveis em El Salvador”, visando à criação de um documento a ser apresentado ao Presidente recém-eleito do país, que tomará posse dia 1 de junho. O evento reuniu mais de 200 pessoas de todo o país, representando diferentes movimentos e organizações de base, além da cooperação internacional, representações da União Europeia, representantes públicos de municípios e academia. De acordo com Charles Lamb, foram reafirmadas “convicções de que a agroecologia realmente promove não somente o desenvolvimento das comunidades, mas é um elemento determinante para as questões relacionadas aos efeitos do clima, principalmente nos países que têm na agricultura a sua principal fonte de renda e manutenção de populações no campo”, de acordo com Charles. “Além dos painéis que trataram de temática relacionadas, à tarde se distribuiu o público presente em diferentes mesas, gerando através dessas um documento a ser apresentado ao governo federal de El Salvador, iniciativa única e respaldada por um coletivo convicto de suas proposições”, completa.

A Fundesyram é uma das principais articuladoras de uma Rede de Agroecologia em El Salvador, que reúne mais de 50 organizações do ocidente ao oriente do país. “A articulação da Rede é uma das estratégias mais concretas e acertadas para a promoção da segurança alimentar e nutricional, além da geração de renda e preservação ambiental para as famílias agricultoras. As iniciativas promovem do desenvolvimento local e regional, gerando possibilidades concretas das pessoas permanecerem em suas comunidades com qualidade de Vida”, conta o membro da equipe Cepagro.

Durante a visita à parte ocidental de El Salvador, Charles conheceu a Escola de Campo de Agricultores no município de Apaneca, a 1400 metros de altitude. Relata que ali “foi possível conhecer e dialogar com agricultoras e agricultores, representantes da Horizont 3000, e com a equipe técnica responsável por diferentes projetos executados nas regiões de atuação de Fundesyram. Chamou atenção a questão das Biofábricas existentes, uma estratégia muito avançada de oportunizar insumos de baixo custo a nível comunitário (Biofortificadores e bokashi), gerando economia e disseminação de manejos sustentáveis dos cafezais, cultura muito presente nesta região. A certificação participativa via SPG, compras públicas, câmbios climáticos, redes colaborativas, e cooperação, também foram debatidas com o grupo presente.”

Na parte Oriental, ele conheceu a Associação Intermunicipal de Desenvolvimento do Norte de Morazán, que vem colocando prioridade no desenvolvimento territorial desta região através de um consórcio de municípios, se mantendo há mais de 12 anos demandando aos governantes políticas que sejam efetivas. Ali, a Fundesyram promove a agroecologia junto a uma Escola-fundação, que até 2018 ainda trabalhava com insumos químicos procedentes de grandes multinacionais. Charles observa que “A partir do acompanhamento da Fundesyram e de outras parcerias locais, foi possível incorporar práticas agroecológicas ao conteúdo escolar e, através de grupos de estudos, implementar ações concretas de cultivos, manejos, compostagem e outros que somente reforçam a importância das hortas pedagógicas como alimentadoras do desenvolvimento local”.

Empoderar mulheres e sensibilizar homens: Cepagro vai a El Salvador para conhecer o trabalho em Gênero da organização FUNDESYRAM

Buscando qualificar seu trabalho na temática de Gênero,  o Cepagro participou de mais um belo e potente encontro de mulheres que constroem a Agroecologia: o I CONGRESO MUJER Y AGROECOLOGIA, promovido em El Salvador pela Fundación para el Desarrollo Socioeconómico y Restauración Ambiental (FUNDESYRAM), organização parceira no projeto apoiado pela Inter-American Foundation. O evento aconteceu nos dias 10 e 11 de outubro e reuniu mais de 120 mulheres de 35 organizações de todo país. Cepagro e Rede Ecovida foram representados pela jornalista Ana Carolina Dionísio e pela agricultora Cátia Cristina Rommel, respectivamente. Nos dias após o encontro, as representantes brasileiras tiveram a oportunidade de conhecer mais um pouco do trabalho da FUNDESYRAM na linha de Gênero e Agroecologia.

Mesmo com as fortes chuvas que atingiam o pequeno país centroamericano nos dias anteriores ao Congreso, dificultando a circulação nas áreas rurais, a participação de mulheres no evento superou as expectativas da engenheira agrônoma Flor Quintanilla, coordenadora das ações em Gênero da organização. Ela explica que o objetivo do evento foi exatamente promover a articulação de diferentes organizações de mulheres para que incidam, tenham mais protagonismo na produção e integrem a recém-formada Red Agroecológica de El Salvador, composta por organizações e coletivos das três regiões do país: Oriente, Central e Occidente.

Ao longo dos dois dias foram compartilhadas experiências, além de serem discutidas estratégias e ações para promover o empoderamento feminino, a autonomia financeira e a superação do machismo no trabalho e através da Agroecologia. “É nestes espaços que conseguimos nos encontrar e nos reconhecer, e assim vemos que estamos na mesma luta”, afirma Flor.

Num país em que, de acordo com a Organização Mundial de Saúde, metade das mulheres já sofreram violência física ou psicológica na vida, trabalhar pelo seu empoderamento não é tarefa fácil.  É com muita paciência e bom humor que a Fundesyram apoia associações e coletivos de mulheres, facilitando oficinas e capacitações em liderança, empreendedorismo, técnicas agroecológicas e artesanato.  Além disso, colaboram todos os anos na organização da Feria de Logros (Feira de Realizações), onde as participantes das atividades apresentam seus produtos. Todo este trabalho caminha junto com programas do governo salvadorenho, como o Ciudad Mujer, que possui postos de atendimento em todo país para atenção integral às mulheres, nas linhas de Saúde Sexual e Reprodutiva; Atenção à Violência de Gênero; Autonomia Econômica; Gestão Territorial e do Conhecimento e Atenção Infantil.

“Me senti muito bem e confortável aqui. Percebemos como a Fundesyram se interessa pelo bem comum, e tudo que foi discutido aqui vai em concordância com o enfoque do nosso trabalho em Segurança Alimentar e Nutricional”, conta a agricultora Sandra Hernández, que participou do Congreso. Ela produz hortaliças e mel na sua parcela no município de Morazán, já próximo da fronteira com Honduras. Ela participa da Asociación de Municípios del Norte de Morazán e integra a Red Agroecológica de El Salvador junto com outras 350 famílias só na região oriental do país.

E como aumentar a participação das mulheres nos processos produtivos e também decisórios das organizações? Embora seja consensual que a superação das limitações impostas pelo patriarcado é o primeiro passo, as estratégias para promover essa superação são múltiplas. No Congreso foram sugeridas a realização de campanhas de conscientização dos direitos das mulheres, trabalhos em escolas e também nos lares e organização de grupos de incidência política nas prefeituras. Dar visibilidade nas redes sociais ao trabalho desenvolvido por mulheres e formar grupos de poupança e empréstimo comunitários para elas também foram elencadas.

“Mas também precisamos incluir os homens nos trabalhos domésticos, não só as mulheres nas organizações”, pondera Fátima Landaverde, técnica na área de Gestão Ambiental e Territorial da Associación Colectiva de Mujeres por el Desarollo Local, também presente no evento. “É importante que os homens desenvolvam o olhar de que nas organizações as mulheres são capazes de assumir trabalhos além de secretaria e cuidados, por exemplo. É importante que eles estejam dispostos a ceder nos cargos de direção para eleger mulheres”, completa Fátima.  A Colectiva tem enfoque feminista: “Nossa organização trabalha com formação de mulheres em insumos e comercialização agroecológicos, enfatizando o papel da mulher na Agroecologia”, explica. Sobre o Congreso, ela sugere que se incorpore às discussões também a luta pela defesa dos territórios e das águas empreendida por mulheres.

“Nossa luta é pelo equilíbrio”, afirma Rosa Areval, da ADECIME (Asociación de Mujeres Empreendedoras). De volta ao Congreso, ela defende que “É preciso envolver-se no movimento feminista para que as mulheres possam avançar, mesmo que pouco a pouco. Dar visibilidade ao nosso trabalho e impulsar leis a favor das mulheres”, afirma ela.

É no sentido de envolver também aos homens  na luta pela equidade de gêneros que a FUNDESYRAM promove atividades com grupos de novas masculinidades (nuevas masculinidades). Formando Comitês de Vínculos Solidários em conjunto com associações comunitárias, a Fundesyram realiza rodas de conversa para que eles possam refletir sobre o ciclo da violência contra as mulheres e a paternidade responsável, entender valores e preconceitos impostos pelo machismo que são nocivos para eles e suas famílias e compreender que não há problemas em um homem expressar seus sentimentos e emoções. Melhorias nas relações familiares e compartilhamento de tarefas domésticas são algumas das mudanças relatadas pelos participantes, que também têm a responsabilidade de multiplicar as discussões em suas comunidades. 

“Passei a entender que um homem não precisa passar por cima de uma mulher, pois todos e todas temos as mesmas capacidades”, conta o jovem Marciel López, um dos participantes do Círculo no município de Tabuca, onde a FUNDESYRAM também atua. “E não precisa ser uma mulher para lavar a toupa, varrer a casa ou fazer tortilha. Os homens também têm que fazer isso”, completa ele.

“E as crianças podem brincar com o que quiserem”, acrescenta O agricultor Jorge Hernandez Ramos. Desnaturalizar o ciúme foi outro aprendizado dele nas atividades do Círculo, o que trouxe mais harmonia em suas relações familiares. “Precisamos avançar mais nas comunidades, para que as crianças se sintam cada vez mais protegidas”, afirma Jorge.

A partir das experiências de mulheres e de homens, percebe-se como a AUTO-ORGANIZAÇÃO é fundamental nestes processos. A agricultora Maria Lucrécia Argueta, da Fundação Segundo Monte, de Morazán, concorda: “Que se organizem! Já começamos a unir as mulheres, temos um discurso comum, temos muitos desafios e precisamos nos unir pelo meio ambiente”, afirma ela. Na sua parcela, Maria Lucrécia cultiva frutas, desenvolve técnicas de conservação da água e produz xampus naturais. Saiu de casa às 2h da manhã para chegar a tempo do início do Congreso, mais uma amostra da garra e disposição das mulheres salvadorenhas.

Cepagro promove debate sobre Sistemas Participativos de Garantia

Representantes de Redes de Agroecologia de 8 países latino-americanos e de 5 estados brasileiros  estiveram presentes no debate sobre Certificação Orgânica Participativa: Conexões Latino-Americanas, que aconteceu na tarde da última segunda-feira, 24, no Centro de Ciências Agrárias da UFSC. O evento promovido pelo Cepagro faz parte da programação da Vivência em SPG do projeto Saberes na Prática em Rede, que aconteceu entre 21 e 26 de setembro, com o apoio da Inter-American Foundation, visando ao intercâmbio de experiências em certificação participativa na América Latina.

O debate foi dividido em dois momentos, tratando inicialmente da conjuntura brasileira em Sistemas Participativos de Garantia e em seguida foram apresentadas iniciativas bem sucedidas existentes no México, Paraguai e Brasil. Os palestrantes convidados para a primeira parte foram Virgínia Lira, coordenadora de Agroecologia do Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento, Laércio Meirelles, do Fórum Latino-americano de SPG e Romeu Leite, coordenador do Fórum Brasileiro de SPG.

Virgínia abriu o debate apresentando alguns dados sobre a produção de orgânicos no Brasil atualmente. Porta voz da Agroecologia dentro do Ministério da Agricultura, ela afirmou que, apesar da crise em que nos encontramos, a produção de orgânicos no país não para de crescer, e com isso os Sistemas Participativos de Garantia também avançam.

Em sua fala, Virgínia enalteceu as relações humanas estabelecidas dentro dos SPGs, uma relação que permite a troca de experiências, conhecimentos e a melhoria na produção de orgânicos, uma vez que as dúvidas dos agricultores podem ser sanadas em um diálogo direto e próximo. Nos SPGs, a identidade cultural dos agricultores é respeitada e levada em conta na hora de pensar nos processos da certificação, uma lógica longe de ser atendida pela certificação por auditoria.

Virgínia propôs como desafio a simplificação dos formulários de certificação e deixou como perspectiva para um futuro próximo a aproximação entre Brasil e Chile, após a assinatura do memorando de intenções, que na prática deverá permitir a circulação de certos produtos orgânicos entre os dois países com o mesmo selo de garantia. Atualmente, se um produtor orgânico brasileiro quer comercializar seu produto no Chile, ele precisa contratar uma certificadora que esteja credenciada lá para que o seu produto seja reconhecido pelas normas chilenas, e vice e versa. A futura equivalência dos selos promete abrir portas e baratear os custos da importação para os produtores orgânicos.

Em seguida, Laércio Meirelles assumiu o microfone e contou a história da Certificação Participativa no Brasil, desde a década de 1980. Ele lembrou que os SPGs surgiram pelo desejo de desburocratizar, baratear e dar autonomia aos agricultores, mas infelizmente o reconhecimento da certificação participativa por parte do Estado tem distanciado os SPGs desse objetivo, por burocratizar demais o processo. Segundo Laércio, “a Agroecologia e o Estado não são filhos do mesmo pai e mãe. A Agroecologia é um filho anarquista”, e essa distância dificulta a relação entre ambos. Para ele é preciso haver mais legitimidade social e equilíbrio entre busca por regulamentação e fiscalização.

Romeu LeiteRomeu Leite, do Fórum Brasileiro de SPG e que também é produtor orgânico, retomou no debate o desequilíbrio entre o Estado e as iniciativas de certificação participativa. Na lógica do Estado, através do Ministério da Agricultura, as inconformidades na produção de orgânicos precisam ser punidas, por exemplo, enquanto nos SPGs, essas falhas procuram ser resolvidas com educação e orientação, num diálogo aberto entre produtores e certificadores. “O SPG é um processo social que não tem como objetivo simplesmente gerar um selo de credibilidade orgânica, mas é um processo educativo, de construção coletiva do conhecimento em que agricultores, consumidores e técnicos, todos juntos, vão trocar experiências e construir juntos o conhecimento agroecológico”, conta.

Por fim, ressaltou uma característica única dos SPGs: a possibilidade de adaptação do processo de certificação de acordo com cada realidade local. Um exemplo disso é o que vem acontecendo com as comunidades indígenas do Xingu, primeiro SPG indígena do país. Nesse processo inédito, a formação e os formulários dos agricultores tem um formato muito mais visual, por meio de desenhos que demonstram o plano de manejo e a produção de cada unidade. Um formato que funciona muito melhor para aquela realidade cultural. Segundo Romeu, essa possibilidade de adaptação é importante porque para o perfil do agricultor familiar o excesso de burocracia só atrapalha o avanço dos SPGs. 

Sabendo disso, o coordenador do Fórum Brasileiro de SPG afirmou que a entidade tem discutido a simplificação da documentação para o credenciamento dos agricultores orgânicos, a fim de democratizar ainda mais esse sistema.

Na segunda parte do evento, o público pôde conhecer três SPGs que existem na América Latina. A Tijtoca Nemiliztli, do México, representada pelo agricultor Fernando George Pluma; a Paraguay Orgánico, apresentada pela Daniela Solís e a Rede Ecovida de Agroecologia, representada pela agricultora Tânea Mara Follmann.

Fernando George PlumaFernando e Daniela explicaram o funcionamento das suas redes de SPG e apresentaram o Daniela Solíspanorama da certificação participativa e da produção de orgânicos nos seus países, seus avanços e desafios a serem enfrentados. Com a fala de encerramento, Tânea Mara Follmann, coordenadora do Núcleo Litoral Catarinense da Rede Ecovida,  explicou o funcionamento do processo de certificação na Rede e detalhou o passo a passo para a entrada de

Tânea Mara Follmann

Tânea lembrou também da importância da relação entre os agricultores e grupos da região e ressaltou que antes de ser uma rede de certificação, a Ecovida é uma rede de Agroecologia. Ela concorda que o principal desafio dos SPGs hoje é a questão da documentação necessária para a certificação que por vezes acaba sendo muito extensa. “É cada vez maior a necessidade de comprovar o que você faz e convencer as pessoas de que o que você faz é bom e está dentro de normas. Isso tem estado cada vez mais presente e causa um desgaste em todo o processo, porque é como se te colocassem em dúvida a todo momento”.

Por outro lado, Tânea conta que com as reuniões de grupos, de núcleos e os encontros anuais promovidos pela Rede, os frutos do SPG ultrapassam a certificação: “existem experiências que são trocadas ali onde se aprende muito entre agricultores. O SPG promove uma visibilidade e aproxima os agricultores das pessoas que consomem e gera um movimento muito legal que é, com certeza, uma conquista para os agricultores”. 

A agrônoma Cassiele Lusa Mendes Bley, que atua na Epagri de Antônio Carlos, veio ao debate e conta que conhecer melhor os processos de certificação da Rede Ecovida foi essencial. Atualmente no município é feita somente a certificação por auditoria, mas existe a vontade de criar um grupo de SPG, principalmente depois das últimas mudanças na legislação sobre certificação orgânica, “agora está muito mais rígida principalmente para o pequeno produtor, então eles vem buscar essas informações e a gente tem que ter uma outra alternativa, algo melhor para oferecer”, conta Cassiele.

O Secretário de Agricultura e Meio Ambiente de Antônio Carlos, Osvaldino Gesser, também participou do debate e ressalta a importância de promover a agricultura ecológica através das dinâmicas de SPG junto aos trabalhadores rurais do município. “Temos uma preocupação com a saúde dos nossos agricultores e agricultoras, além do cuidado com o meio-ambiente”, afirma o Secretário, que relata que casos de câncer de pele e depressão têm se tornado cada vez mais comuns em Antônio Carlos.

 

Cepagro recebe delegação latino-americana para debater Sistemas Participativos de Garantia (SPG)

Representantes de organizações do México, Paraguay, Perú, Bolívia, Guatemala, Equador, El Salvador e Colômbia e de mais 6 estados brasileiros estarão em Florianópolis para participar da I Vivência em Sistemas Participativos de Garantia que o Cepagro promove de 21 a 26 de setembro. A atividade tem o objetivo de compartilhar experiências diversas em certificação participativa e SPG, estimulando a troca de conhecimentos sobre estratégias de produção, articulação de famílias e comercialização entre organizações brasileiras e de outros países latino-americanos. A Vivência faz parte do projeto Saberes na Prática em Rede, que tem apoio da Inter-American Foundation.

Basicamente, a certificação participativa num SPG é realizada pelos/as próprios/as agricultores/as. No Brasil, ela tem a mesma legitimidade que a certificação realizada por empresas de auditoria. Um dos principais SPGs brasileiros é o da Rede Ecovida de Agroecologia, que reúne mais de 4 mil famílias de agricultores agroecológicos do Sul do Brasil e inspirou outros sistemas no Brasil e na América Latina.

A programação da Vivência terá momentos abertos ao público, como o debate Certificação Participativa Orgânica: conexões latino-americanas, que acontece na 2ª feira, 24 de setembro, das 14h às 18h no Centro de Ciências Agrárias da UFSC. Na mesa de discussões, estão representantes do Ministério da Agricultura, dos Fóruns Brasileiro e Latinoamericano de SPGs, além de organizações do Paraguay, México e também da Rede Ecovida de Agroecologia. A participação no debate é aberta e gratuita. Para inscrições, clique aqui.

 

Lutas das mulheres e de Povos e Comunidades Tradicionais dão o tom do Encontro de Donatários da IAF no Brasil

O capricho da bolsa de algodão agroecológico produzida pelas mulheres do Quilombo Gurutuba, no Norte de Minas Gerais, distribuída aos participantes do Encontro de Donatários Brasil da IAF, refletia o cuidado e a atenção com que a equipe do Centro de Agricultura Alternativa do Norte de Minas (CAA-NM) organizou o evento, realizado em Montes Claros de 6 a 10 de março. Com foco na temática de Gênero e fomentando a participação de representantes de Povos e Comunidades Tradicionais – indígenas, quilombolas, extrativistas -, o Encontro reuniu cerca de 60 pessoas de 14 estados do Brasil onde a Fundação Inter-Americana (IAF) apoia projetos de desenvolvimento local. O Cepagro esteve presente no evento trocando experiências e também facilitando uma roda de conversa sobre Sistemas Participativos de Garantia (SPG).

A coincidência da data com a Semana da Mulher – em que pautas como violência e igualdade de gênero vêm mais à tona – ressaltou a importância de projetos que promovem a inclusão e o protagonismo de mulheres na parte produtiva, no associativismo, na organização social e na comercialização, como afirma David Ivan Fleischer, representante da IAF no Brasil: “Frente aos crescentes índices de violência contra a mulher e à estagnação dos indicadores de exclusão social delas no Brasil, a gente tem buscado aumentar o número desses projetos para promover mais igualdade entre homens e mulheres”.

A Marcha das Mulheres de Montes Claros entrou na programação do Encontro.

Mais do que apresentar e conhecer experiências, o Encontro também dedicou parte de sua programação à análise de conjuntura e ao debate teórico com enfoque de Gênero. A abertura do evento, por exemplo, foi dedicada à análise do atual contexto sociopolitico do Brasil e seus impactos nas organizações sociais e na participação feminina a partir da análise ou da trajetória de cinco mulheres: Marilene Alves de Souza (CAA), Cláudia Luz (professora da UNIMONTES), Brígida Salgado (da COOPERBIO), Maria de Lourdes Gomes de Lima (CENEP-PB) e Tereza Felipe da Costa, do Movimento Nacional de Catadores de Materiais Recicláveis.

Com diferentes linguagens e baseadas em suas experiências de vida únicas, todas abordaram o tema do atual desmonte de políticas públicas em curso no Brasil, ressaltando a importância da retomar a mobilização social e a participação política da sociedade organizada.

Leninha, do CAA-NM, demonstrou como as organizações da sociedade civil cresceram durante os governos de centro-esquerda com recursos governamentais, através de chamadas e editais públicos. Com a diminuição dessas fontes de financiamento e a saída de muitas cooperações internacionais do país, as organizações têm-se voltado para estratégias em níveis municipais e estaduais, além de estabelecer alianças entre países latino-americanos. “Além disso, não podemos perder a indignação nem a autonomia”, completa.

“Vamos ter que começar tudo de novo, encontrar novas formas de luta para que as próximas gerações possam viver num país democrático”, disse Maria de Lourdes, formada em História e que lutou por décadas pelos direitos políticos de mulheres em sindicatos e outras organizações na Paraíba. Aos 83 anos, Tereza Felipe da Costa faz outro chamado importante: que a juventude se empodere da política. “Não podemos deixar o país nas mãos da 3ª idade”, completou a líder comunitária da Zona Leste de São Paulo.

Tereza Felipe da Costa: “Que golpe é esse? Todos somos responsáveis por ele. Podemos escolher lutar contra. As únicas coisas que não pude escolher na vida foram: nascer mullher, negra e no Brasil.”

Do debate e da troca de experiências para a prática, o segundo dia do Encontro foi dedicado a visitas de campo: nas agroindústrias de processamento de polpas de frutas e de buriti da Cooperativa Grande Sertão e à Área de Experimentação e Formação em Agroecologia do CCA-NM. Fundada em 2003 através de articulação do CAA-NM com um coletivo que se organizava desde 1994, a Cooperativa de Agricultores Familiares e Agroextrativistas Grande teve apoio da IAF para trabalhar o beneficiamento e processamento de frutas nativas. Em 2012, com financiamento do BNDES – o primeiro para empreendimento de agricultura familiar no Brasil – a Cooperativa fundou a planta de processamento de óleos vegetais, cujo carro-chefe é o de buriti. “Inicialmente o financiamento era para produção de biodiesel. Mas então pensamos: por que nao produzir óleo para um alimento diferenciado, ao invés de biodiesel?”, conta José Fábio Soares, agricultor e um dos diretores da Cooperativa.

Atualmente, a cadeia produtiva do buriti articulada pela Cooperativa Grande Sertão envolve cerca de 600 famílias de 10 municípios do Norte de Minas. As famílias cooperadas receberam capacitação para beneficiamento do fruto e fornecem a raspa – matéria-prima para extração do óleo – para a Cooperativa. A empresa de cosméticos Natura é um dos principais parceiros comerciais da Cooperativa. Do buriti, tudo se aproveita: a casca vira ração para os animais e da torta da raspa produz-se farinha.

No caso das frutas nativas, 200 famílias de 26 municípios do Norte de Minas fornecem as colheitas de seus quintais para a Cooperativa Grande Sertão. Nas 8 agroindústrias da Cooperativa são processadas cerca de 250 toneladas de frutas por ano, resultando em 17 sabores de polpas agroecológicas, cujo principal mercado é o Programa Nacional de Alimentação Escolar. A lógica das famílias cooperadas, entretanto, é priorizar a Segurança Alimentar: “Primeiro encher nossas barrigas, depois vender o excedente”, explica Aparecido Alves de Souza, da diretoria da cooperativa. A organização de uma OPAC para certificação das frutas nativas e das polpas é um dos próximos passos da Cooperativa e do CAA.

Na AEFA – que “não é do CAA, é dos agricultores e agricultoras”, como explicou Neucy Fagundes, da equipe técnica da organização – são cultivadas e estudadas mais de 600 espécies de plantas medicinais, além de 16 variedades de milho crioulo (estudo feito em parceria com a EMBRAPA, EMATER e UFMG). A unidade conta também com uma planta de beneficiamento de polpa de frutas e com um banco de sementes crioulas, guardando variedades de feijão, milho, sorgo, amendoim, girassol e favas. “Temos muito cuidado para saber de onde vem as sementes, para evitar contaminações”, explica Antônia Antunes da Silva Reis, secretária-executiva do CAA e moradora do  Quilombo Gurutuba. Além do risco de contaminação por transgênicos, outro desafio enfrentado para preservação das sementes são as mudanças climáticas: nos últimos 5 anos, as alteraçoes no regime das chuvas “faz o agricultor perder o tempo das sementes”, conta Antônia.

Outro momento intenso de trocas de experiências foi na oficina com o mestre de plantas medicinais Honório Dourado, que também integra a diretoria do CAA.

A participação de um grupo de jovens Xakriabá trouxe uma energia especial para a visita. Além de compartilharem seus cantos e danças, as/os jovens fizeram também uma roda de conversa com as/os participantes do Encontro, contando sobre sua luta em defesa de seu território e modos de vida. A população Xakriabá soma cerca de 11 mil pessoas no Norte de Minas Gerais.

 

As jovens lideranças Xakriabá compartilharam toda sua força e energia para seguir na luta pela defesa de seus territórios e modos de vida.

Coisas de mulher, coisas de homem: conversas e oficinas

Com a proposta de introduzir a discussão conceitual sobre relações de gênero, a professora do Curso de História da UNIMONTES Cláudia Maia foi convidada para facilitar uma oficina sobre o tema. Através de dinâmicas e uma apresentação dialogada, a professora construiu com as/os participantes o entendimento de que ser “mulher” ou “homem” – e os comportamentos e características atribuídos a esses sujeitos – é muito mais uma construção cultural e social do que condições naturais. Além disso, ela também explicou a importância de se considerar variáveis como classe social e etnia junto com a de gênero – se as mulheres são discriminadas, por exemplo, as brancas ainda são menos do que as negras. Quanto aos projetos voltados a mulheres, ela chama atenção para relações de poder baseadas no gênero que ainda atribuem o trabalho doméstico às responsabilidade femininas – logo, é preciso transformar essas relações também para não gerar mais sobrecarga para as mulheres. “Trabalhar na perspectiva de Gênero não significa só incluir mulheres em outras dinâmicas produtivas, mas transformar relações de poder”, explica a professora.

Neste sentido, iniciativas como a Campanha pela Divisão Justa do Trabalho colaboram para superar o desafio de conciliar a participação social e a geração de renda entre mulheres com outros afazeres historicamente considerados “femininos”. Essa foi uma das considerações das oficinas sobre ORGANIZAÇÃO SOCIAL COM ENFOQUE DE GÊNERO, uma das temáticas trabalhadas durante o encontro. As outras foram: Mobilização da Juventude e Produção e Comercialização.

 

Cepagro media troca de experiências sobre SPG

Fechando o Encontro, Charles Lamb e Erika Sagae, da equipe técnica do Cepagro, facilitaram uma oficina sobre Sistemas Participativos de Garantia (SPG). Após uma exposição inicial sobre o histórico dos SPGs e as dinâmicas de funcionamento da Rede Ecovida de Agroecologia, foi aberto um espaço para que participantes de diferentes redes de certificação apresentassem um pouco de sua experiência. Gilmar Batista de Souza, da Cooperafloresta; Tânea Mara Follmann, do Núcleo Litoral Catarinense e Paula Cristina dos Santos dos Núcleos Alto Uruguai e Planalto RS da Rede Ecovida de Agroecologia, e Tiago Tombini da Silveira, da Rede Povos da Mata, falaram sobre os desafios e aprendizados de seus grupos nas dinâmicas do SPG, como a certificação de produtos do extrativismo, a lida burocrática e o fortalecimento dos mecanismos de controle social (reuniões e encontros).

ECOFEST Trujillo fortalece articulação latinoamericana pela Agroecologia

A marinera trujillana, bailado típico do norte do Peru, embelzou a abertura do ECOFEST. Foto: Cecília Saito (Comunicação – MINKA)

Realizado de 2 a 4 de fevereiro em Trujillo, no norte do Perú, o Festival Agroecológico Internacional ECOFEST foi promovido pela MINKA – organização parceira do Cepagro no Projeto SABERES NA PRÁTICA EM REDE – e reuniu mais de 200 pessoas, entre agricultoras e agricultores, estudantes, educadores, técnicos de campo, nutricionistas e donos de restaurantes. Além do Cepagro, foram convidadas também CETAP (Brasil), o Centro Campesino A. C. e Tijtoca Nemiliztli (México), Asociación de Productores Orgánicos (APRO – Paraguay) e  Fundesyram (El Salvador), todas participantes do projeto, que é apoiado pela IAF. “O grande objetivo do ECOFEST foi promover os produtos agroecológicos, para que as pessoas os conheçam. Tivemos bastante cobertura da imprensa, e certamente nossas demandas chegaram por aí às autoridades”, disse William Siapo, coordenador de projetos da MINKA. “Em Trujillo, com MINKA, cada vez mais produtores têm essa visão da agroecologia e estão trabalhando com outros para melhorar a qualidade de seus solos, água, ar, produzindo alimentos que fazem bem para suas próprias famílias e daqueles que os consomem”, explica Miriam Brandão, representante da IAF no Peru.

Charles Lamb, do CEPAGRO, na abertura do ECOFEST, junto com representantes do FUNDESYRAM, IAF e CENTRO CAMPESINO. Foto: Cecília Saito (Comunicação – MINKA)

Além de trazer mais visibilidade para a Agroecologia, o evento debateu questões como a certificação de alimentos agroecológicos, comercialização, as relações entre gastronomia e saúde e também abriu espaço para a Rede Ecovida de Agroecologia. O Cepagro esteve presente em todas as mesas, da abertura ao encerramento do evento.  Trazendo um panorama sobre a Agroecologia na América Latina, Charles Lamb, coordenador do projeto SABERES NA PRÁTICA EM REDE, ressaltou que a Agroecologia é mais do que um modo de produção de alimentos limpos, mas é um sistema de promoção da vida, em contraposição aos impactos socioambientais negativos da agricultura chamada convencional. Trouxe também dados da FAO que apontam a Agroecologia como alternativa de desenvolvimento sustentável e primordial para a segurança alimentar na América Latina.

No segundo dia, a vice-presidente do Cepagro, Erika Sagae, abriu o painel sobre “Comercialização de Produtos Agroecológicos”, enfatizando a diversificação de estratégias como primordial para a comercialização na Agroecologia. Circuitos curtos, mercados institucionais e feiras foram alguns dos exemplos citados. A nutricionista Cintia Gris, da equipe técnica do CETAP, também participou do debate, trazendo exemplos de grupos de consumidores e feiras agroecológicas articuladas pela organização. “As feiras são mais do que espaços de comercialização, ali também acontecem ricas trocas de experiências e receitas”, disse. Para Victor Hugo Morales, do Centro Campesino de Desarollo Sostenible (México), o envolvimento de consumidores é fundamental para a valorização dos alimentos agroecológicos, que quase sempre têm um preço diferenciado. “As pessoas ainda veem só o preço, e não o valor”, avalia William Siapo, da MINKA. Para Genaro Ferreira Piris, da Asociación de Productores Orgânicos do Paraguay, é importante associar agroindústrias às produção de alimentos agroecológicos, para se ter um aproveitamento integral das colheitas. Durante o painel, a articulação de pequenas células de consumidores foi uma das estratégias apontadas para criar mais conscientização sobre os alimentos agroecológicos, sua valorização, além de envolver consumidores/as no movimento agroecológico. Fechando a programação do dia, as/os participantes conheceram a BioFeira Punto Verde de Huanchaco, articulada pela Minka Verde, e um dos pontos de comercialização da Frutas Selectas, que recebe a produção de diversas famílias de agricultores agroecológicos assessoradas pela MINKA.

Visita à Red de Productores Campiña de la Merced.

A organização MINKA – palavra quechua para falar de “trabalho coletivo” –  presta assessoria em produção agroecológica e articula a comercialização de cerca de 130 famílias de agricultores e agricultoras na região do Valle de Santa Catalina, próximo a Trujillo.

Insumos produzidos pela Red de Productores Campiña de la Merced

Na visitas de campo, as/os participantes do ECOFEST puderam conhecer algumas dessas experiências, tanto em estruturas de produção agroecológica quanto pontos de comercialização. A primeira parada foi na Red de Productores Campiña de la Merced, que produz insumos orgânicos como bokashi líquido e calda bordalesa. Os insumos são fornecidos para produtores de frutas orgânicas, por sua vez comercializadas através do projeto Minka Verde, apoiado pela Inter-American Foundation.

Uma das agricultoras mais interessadas na visita era Ferlinda Isabel Sánchez Córdoba (em pé, foto ao lado), que veio da província de Cajamarca, a 300km de Trujillo, para participar do evento. Ela também é assessorada pela MINKA “para tudo que seja cultivos alternativos, ecológicos. Nas capacitações, aprendemos a usar insumos naturais e também sobre irrigação”, explica Ferlinda, que além de criar animais, cultiva trigo, milho, batatas, grãos e árvores frutíferas, tudo numa propriedade de 3 hectares. Demonstrando muita identidade agroecológica, Ferlinda se denomina “todista”: “porque eu semeio de tudo. Assim, se não me vai bem em alguma safra, tenho de onde tirar minha renda por outro lado. E minha alimentação está assegurada”, afirma a agricultora. “Antes eu trabalhava para outras pessoas, na colheita do milho, por exemplo. Agora, na Agroecologia, eu tenho trabalho na minha própria casa. Não preciso mais trabalhar para os outros”, completa.

Na segunda visita, o público conheceu a produção de morangos e verduras orgânicos na região de Menocucho, próximo a Trujillo. A Asociación de Freseros de Menocucho reúne 12 famílias e comercializa cerca de 400kg de morangos por semana, também articulada pela Minka Verde. O agricultor José Luiz Chavez (foto ao lado) conta que “Minka nos ajuda a ter um mercado estável”. Sobre a produção agroecológica, ele afirma que “ao combater insetos e outros bichinhos, só aumenta a necessidade de uso de mais inseticidas. Na agricultura orgânica, o próprio ecossistema se equilibra. A natureza trabalha junto com o agricultor”. O processo de transição, contudo, não é fácil: José Luiz explica que só depois da 3ª safra é o ecossistema atingiu um equilíbrio razoável para ter uma boa produção. Na propriedade da família de José Luiz também são produzidas mudas de tomate, alface e outras verduras.

 

 

 

 

 

Certificação gera grande interesse no público
Com uma apresentação inicial de Claudete Ponath, agricultora do Núcleo Litoral Catarinense da Rede Ecovida de Agroecologia, a Certificação de Alimentos Orgânicos – especialmente no Sistema Participativo – foi debatida no primeiro dia de programação ECOFEST. Claudete trouxe um histórico da certificação no Brasil, enfocando nos princípios do sistema participativo (como participação e confiança) e falou também sobre a dinâmica do SPG da Rede Ecovida de Agroecologia, enfatizando os mercados locais e a mobilização social. Dentre os desafios apontados ao longo da discussão, a contaminação das propriedades agroecológicas por resíduos de agrotóxicos foi um dos principais. Participaram no debate Genaro Ferreira Piris, da Asociación de Produtores Orgánicos de Paraguay; Fernando George Pluma, da Tijtoca Nemiliztli A. C. – TNAC “Sembramos Vida” (México) e Salvador Sanchez da Asociación Regional de Produtores Ecológico de La Libertad (ARPELL). Tanto APRO quanto TIJTOCA inspiraram-se na Rede Ecovida de Agroecologia para desenvolverem seus SPGs. “Buscamos esta construção para atender à demanda de uma certificação que estivesse ao alcance dos pequenos agricultores”, disse Genaro.

Educação agroecológica e Políticas Públicas para Agroecologia: demandas do ECOFEST TRUJILLO

Durante o evento, a ausência de representantes do Poder Público foi sentida e apontada em diversos momentos. Ao mesmo tempo, foram apresentadas experiências que demonstram a importância de políticas públicas para o desenvolvimento da agricultura familiar, agroecológica e de pequena escala, como é o caso do Brasil. Neste sentido, reforça-se a demanda pela construção de políticas públicas de apoio à produção e comercialização de alimentos orgânicos e agroecológicos. Também convidou-se o público a contribuir na construção do Consejo Regional de Produtores Orgânicos de a Libertad junto à Gerência Regional de Agricultura, assim como a pressionar as autoridades para que efetivem a doação de um espaço para o Centro Educativo de Agricultura Orgânica. A partir da experiência brasileira, percebemos a importância da participação da sociedade civil em espaços de controle social, como os conselhos, para incidir na construção de políticas públicas.

A demanda por uma perspectiva agroecológica na Educação – tanto de agricultores para a adoção de práticas de manejo agroecológicas como de consumidores/as para priorização de uma alimentação saudável – foi apontada em vários painéis. Como estratégias, foram citadas a implantação de hortas escolares e comunitárias, além do trabalho direto com consumidores/as através de campanhas e também em feiras, assim como a instalação de “puntos verdes” de alimentos saudáveis nas escolas.

 

Cepagro participa de Festival Agroecológico no Peru

De 2 a 4 de fevereiro, membros da equipe Cepagro participam do ECOFEST TRUJILLO, festival agroecológico internacional promovido pela organização MINKA PERÚ, parceira no Projeto Saberes na Prática em Rede. O evento reúne em Trujillo, no norte peruano, representantes de organizações e especialistas em Agroecologia e Alimentação Saudável do Brasil, México, Paraguay, El Salvador, Colômbia e Equador, além dos anfitriões e membros da IAF, que apoia a maioria das organizações presentes.

Na abertura do evento, na próxima sexta (2 de fevereiro), o coordenador de Desenvolvimento Rural Sustentável do Cepagro, Charles Lamb, abordará o tema AGROECOLOGIA NA AMÉRICA LATINA. No sábado, 3 de fevereiro, a vice-presidenta do Cepagro, Erika Sagae, falará sobre COMERCIALIZAÇÃO DE ALIMENTOS AGROECOLÓGICOS. Estarão presentes nas mesas as organizações: Centro Campesino de Desarollo Sostenible (México), APROFUNDESYRAM e CETAP,  parcerias do Cepagro no projeto SABERES NA PRÁTICA EM REDE.

Acompanhe a cobertura no blog e na fanpage do Cepagro.

Festival SANTA CATARINA AGROECOLÓGICA destaca a atuação das mulheres na Agroecologia

A agricultora Adélia Schmitz, liderança do Movimento de Mulheres Camponesas, fala durante o Seminário MULHERES E AGROECOLOGIA.

texto e fotos: Comunicação Cepagro

Na manhã daquela 5ª feira, 5 de outubro, a 39º Oktoberfest de Itapiranga estava nos seus últimos preparativos na Linha Presidente Becker quando a agricultora Adélia Schmitz, de 69 anos, saiu da comunidade do interior de Itapiranga (SC) rumo a Chapecó. Chegando à “capital do Oeste catarinense”, Adélia dormiu no Centro de Formação do Movimento de Mulheres Camponesas – em que ela é liderança desde 1991 – para acordar às 3h da manhã e encontrar com as companheiras agricultoras Lourdes Bodaneze e Rosalina da Silva, para juntas pegarem um voo a Florianópolis. Às 10h da manhã da sexta-feira, 6 de outubro, Adélia abria o Seminário “Mulheres e Agroecologia”, promovido pelo Cepagro no Auditório da Epagri, como parte da programação do Festival SANTA CATARINA Agroecológica.

Realizado de 6 a 8 de outubro em Florianópolis, com patrocínio da Fundação Banco do Brasil, o Festival reuniu cerca de 300 pessoas ao longo de 3 dias de programação: na continuação do Seminário, aconteceu o 11º Encontro do Núcleo Litoral Catarinense, no Espaço Pergalê, um sítio urbano no Norte da Ilha. Nas palestras, oficinas e na Feira de Sementes, Saberes e Sabores do Encontro, o protagonismo continuou sendo das mulheres. “O Festival teve o objetivo de promover e valorizar a Agroecologia em Santa Catarina, principalmente na região do Litoral, com destaque para o papel da mulher no seu desenvolvimento”, explica a agrônoma Gisa Garcia, da equipe técnica no Cepagro que organizou o evento.

O Festival começou com a recepção dxs participantes do Seminário na FEIRA ORGÂNICA CCA, realizada toda 6ª feira no Centro de Ciências Agrárias da UFSC.

POR QUE “SEM FEMINISMO, NÃO HÁ AGROECOLOGIA”?

Da esquerda para direita: Adélia Schmitz (MMC), Beth Cardoso (CTA-ZM / ANA), Ana Meirelles (Rede Ecovida de Agroecologia, mediadora), Diva Vani Deitos (APACO) e Cátia Cristina Rommel (Rede Ecovida de Agroecologia): força feminina discutindo “Por que ‘Sem Feminismo, não há Agroecologia’?”.

Abrindo o Seminário, junto com as agricultoras Diva Vani Deitos e Cátia Cristina Rommel, da Rede Ecovida de Agroecologia, e de Elizabeth Cardoso, representando o GT Mulheres da Articulação Nacional de Agroecologia, Adélia discute a questão Por que ‘Sem Feminismo, não há Agroecologia?’: “A Agroecologia e o Feminismo são pontos que se ligam pela transformação da sociedade. A Agroecologia, pelo lado da produção; o Feminismo, pelas relações pessoais”, afirma a camponesa.

“A Agroecologia e o Feminismo são pontos que se ligam pela transformação da sociedade. A Agroecologia, pelo lado da produção; o Feminismo, pelas relações pessoais”, afirma Adélia Schmitz.

Se a base da Agroecologia é a Agricultura Familiar, explica Elizabeth Cardoso, do Centro de Tecnologias Alternativas da Zona da Mata e da Articulação Nacional de Agroecologia, “e a gente sabe, as mulheres sabem, que a família é aonde começam os conflitos: de gênero, de geração… Então a gente precisa também dar apoio para as mulheres. Abrir espaços pras mulheres, dar visibilidade, pras mulheres terem autonomia pra decidirem o que querem plantar e aonde”. Isso porque muitas vezes a titularidade da propriedade, a Declaração de Aptidão ao PRONAF e outros documentos da família agricultora estão no nome do marido, restringindo as vozes e decisões das mulheres.

Os quintais produtivos – áreas próximas às casas onde são cultivados alimentos para o autoconsumo familiar – são frequentemente os únicos espaços onde as mulheres conseguem exercer sua autonomia e protagonismo agroecológico. Sua produção, contudo, quase sempre é subestimada, considerada “miudeza” – assim como o trabalho das mulheres é “ajuda”. Para dar mais visibilidade a essa produção e auxiliar as mulheres nessa administração, o CTA-ZM criou, após a Marcha das Margaridas de 2015, a Caderneta Agroecológica, em que são registrados consumo, da troca, da venda e da doação do que é cultivado nos quintais produtivos. Sistematizando os dados registrados nessas cadernetas, a equipe do CTA-ZM identificou que os quintais são os espaços mais biodiversos das propriedades. Além disso, as “miudezas” de 1 hectare de quintal geram a mesma renda do que 3 hectares cultivados com café – cultura tradicional em Minas Gerais. Neste sentido, de acordo com Beth Cardoso, é fundamental que os quintais sejam objeto de políticas públicas também.

Beth Cardoso, do CTA-ZM e Articulação Nacional de Agroecologia: “A gente quer a Agroecologia para o mundo. Pra isso acontecer, tem que dar poder também para as mulheres”.

Apesar de alguns avanços em políticas públicas para mulheres agricultoras, elas ainda encontram vários entraves para acessar programas como o PRONAF ou mesmo para vender seus produtos. Como afirma Diva Vani Deitos, agricultora e coordenadora da Associação de Pequenos Agricultores do Oeste Catarinense (APACO): “Quando a gente fala das nossas miudezas, das nossas propostas de produção, esbarramos nos grandes, que é a questão da legislação. A legislação no nosso meio veio pro extermínio da produção que as mulheres ainda tinham nas mãos”. Para Diva, as restrições sanitárias às agroindústrias caseiras dos chamados “produtos coloniais” – como salames e queijos – afetam primeiramente as mulheres. “Antes, nós colocávamos o queijo na sacola e vendia, agora temos que sair escondidas pra vender. O queijo tá na mão delas, o dinheiro vinha na mão delas. Aí veio o sistema de integração, que na verdade é exclusão – principalmente das mulheres e dos jovens. Não permite mais mulheres ter acesso a seu próprio dinheiro, pois o contrato quase sempre está no nome do marido”, afirma a agricultora.

Diva Vani Deitos, da Associação dos Pequenos Agricultores do Oeste Catarinense (APACO): “Nós, mulheres, temos uma semente dentro de nós, que é a da resistência”.

“O feminismo é necessário por isso. Para termos igualdade de direitos”, enfatiza a agricultora e agrônoma Cátia Cristina Rommel, do grupo Germin’Ação da Rede Ecovida de Agrocologia.  Compartilhando com a plateia do seminário diversas histórias de sutis discriminações que ela já enfrentou por ser mulher mantendo um sítio em Anitápolis (SC) – ter que explicar para um vendedor que pode sim usar uma tobata, por exemplo – ela afirma que “Feminismo se trata da luta por direitos, equidade de direitos. Não é homem contra mulher, alguém ser mais ou menos do que o outro”. E vai além: “O feminismo não é contra os homens. Se vocês não são machistas, não se sintam afetados pelo feminismo. Juntem-se!”. Adélia Schmitz, do MMC, faz coro: “Se você tem a capacidade de se indignar com um sistema que é injusto, então você também é feminista”.

Cátia Cristina Rommel, agricultora do grupo Germin’Ação da Rede Ecovida de Agroecologia: “As capacidades não são dos gêneros. São dos seres humanos. Não importa se é homem, mulher ou qualquer outra identidade. Ou sem identificação de gênero. A gente encontra capacidades. A gente pede ajuda. Pra um homem, por que não? Ou pra uma mulher. Mas tanto faz”.

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA MULHERES AGRICULTORAS: ENTRE AVANÇOS E RETROCESSOS

Legislação para agroindústrias, acesso ao PRONAF, aos programas de compras institucionais, à saúde, à assistência em casos de violência: entre avanços e retrocessos, as políticas públicas para mulheres agricultoras foram outro ponto de discussão durante o Seminário. Além de Beth Cardoso, no painel também participaram a agricultora Rosalina da Silva, do Movimento de Mulheres Camponesas, e a doutoranda em Ciências Humanas Marie Leal Lonzano, do Instituto de Estudos de Gênero da Universidade Federal de Santa Catarina. Na abertura do Painel, Marie lembra que “se políticas públicas para mulheres são algo recente no Brasil, para mulheres rurais são ainda mais”. O marco inicial neste campo é a Constituição de 1988, a primeira a reconhecer as mulheres como trabalhadoras rurais.

De acordo com a pesquisadora, foi com os governos de centro-esquerda de Lula e Dilma Rousseff que tais políticas avançaram um pouco mais, com a criação da Secretaria de Políticas para Mulheres (SPM) e de programas como o PRONAF Mulher e o ATER Mulheres. “Mas só a existência dessas políticas não garante sua efetividade. É preciso que elas tenham continuidade”, afirma a pesquisadora. Neste sentido, tanto Beth Cardoso quanto Rosalina trouxeram dados sobre a diminuição de recursos para programas voltados às mulheres. “Temos que continuar na luta e nos organizando”, avalia Beth Cardoso.

Participando do Movimento de Mulheres Camponesas desde sua fundação, a agricultora Rosalina da Silva é conhecida como a “bruxinha do MMC”, graças à sua dedicação e sabedoria no trato com plantas medicinais. O trabalho coletivo que ela fundou em Chapecó para trabalhar com esta temática – a Associação Pitanga Rosa – foi finalista do Prêmio Mulheres Rurais que produzem o Brasil Sustentável, da antiga Secretaria Nacional de Políticas para as Mulheres. Durante o Festival, Rosalina compartilhou um pouco desses saberes e histórias de luta e cuidado pela terra..

RESISTÊNCIA FEMININA E AGROECOLÓGICA

Painel “Experiências de Protagonismo e Empoderamento Feminino na Agroecologia” reuniu agricultoras e técnicas dos 3 estados do sul do Brasil e também de El Salvador, com a mediação de Tânea Mara Follmann, agricultora e coordenadora do Núcleo Litoral Catarinense da Rede Ecovida de Agroecologia.

Se o cenário atual das políticas públicas é temeroso, a resistência feminina mantém viva a agroecologia no campo e na cidade. Durante o painel “Experiências de empoderamento e protagonismo feminino na agroecologia”, agricultoras – rurais e urbanas – e técnicas de organizações dos três estados do Sul do Brasil e também de El Salvador relataram os desafios enfrentados e as conquistas alcançadas no trabalho com a terra.

Leonilda Boeing Baumann: de “mulher do professor” a agricultora agroecológica 

Antes conhecida como “a mulher do professor”, apesar de ter crescido e sempre trabalhado na roça, Leonilda agora maneja sozinha e autonomamente uma propriedade com certificação agroecológica em Santa Rosa de Lima (SC). A partir do contato com o projeto Acolhida na Colônia de agroturismo, Leonilda resgatou sua autoestima de ser agricultora. E, com a inserção na Rede Ecovida de Agroecologia, afirma: “Hoje, se tu tem um alimento limpo na tua propriedade pra servir pra tua família, aí está o teu remédio”. Sobre a atuação das mulheres na Agroecologia, afirma: “Falta sim união nossa, união das mulheres. Acho que as mulheres não devem deixar de ser mulher, vaidosa, é importante a gente se sentir bonita. Nosso papel de mulher é diferente do homem, é de ser cuidadora, espiritual. A gente coloca muito amor no que a gente faz”.

Ana Karolina da Conceição: resistência na Agroecologia Urbana

Liderança comunitária e mãe de dois filhos, Karol coordena, junto com Cíntia da Cruz, o Grupo da Revolução dos Baldinhos, projeto de Compostagem e Agricultura Urbana que desde 2008 vem fazendo a diferença na comunidade Chico Mendes, em Florianópolis. As mulheres são a maioria na Revolução, que, mesmo com vários revezes, vem mantendo o trabalho junto à população local que envolver a compostagem, distribuição de composto para hortas e jardins residenciais, brechó, recolhimento de óleo para produção de sabão e a realização de uma feira comunitária. “A resistência é das mulheres! No nosso projeto, A gente está começando a trabalhar as questões de gênero, pras pessoas se reconhecerem, que saiam de casa, que vão ao posto de saúde, que use os espaços”, afirma a agricultora urbana.

Maristela Ferro: vender e consumir são atos políticos

Moradora de São Domingos do Sul, na região de Passo Fundo (RS), Maristela veio ao Seminário junto com a equipe técnica do CETAP, organização que assessora seu grupo de agroecologia, a Associação Sagra Italiana. Reunindo unidades produtivas e agroindústrias, a Associação possui também um espaço de comercialização dos alimentos. Ali é um dos espaços onde Maristela exerce sua incidência política e agroecológica: “A questão mais política hoje para nós produtores é o trato com o consumidor. É a questão mais política que tem e é possível e está na nossa mão!”. Entre uma fala e outra, Maristela agraciou o público com várias canções, sendo que a última afirmava: “Na lei ou na marra, nós vamos ganhar!”.

Flor Quintanilla: trabalho de gênero em El Salvador

A engenheira agrônoma Flor Quintanilla é da equipe técnica do Fundesyram, organização de El Salvador que é parceira do Cepagro no projeto “Saberes na Prática em Rede”, viabilizado pela Fundação Inter-Americana (IAF). Durante o Seminário, falou sobre o trabalho na linha de gênero da organização, que envolve formações para as mulheres e também para os homens. “”Desde que a MULHER domesticou o milho, isso já era Agroecologia. Esquecemos disso pela Revolução Verde, mas trabalhamos pra resgatar esses valores ancestrais”, afirma.  Discussões sobre novas masculinidades, distribuição do trabalho doméstico e a importância de valorizar o autoconsumo na produção agroecológica são alguns dos pontos trabalhados. “Seria um grande erro somente produzir para vender, e não também para comer. Na produção agroecológica é o inverso, primeiro produzimos para comer depois vendemos”, explica.

Lourdes Bodaneze: “o milagre só vem do solo”

Dentro do Movimento de Mulheres Camponesas “há uns 25 anos”, a agricultora Lourdes Bodaneze cultiva um terreno urbano no município de Marema, no Oeste de Santa Catarina. Numa área de 9m x 20m, ela já chegou a ter, ao longo de um ano, quase 70 variedades de alimentos, sempre no manejo agroecológico. Além da produção, ela também beneficia e comercializa alguns dos alimentos.  A diversidade de espécies e sua dedicação são tamanhas que ela passou a ser uma guardiã de sementes crioulas no Movimento. “O milagre só vem do solo. Por isso, precisamos cuidar da mãe terra. A Natureza só nos devolve o que damos para ela. Se ela dá algo ruim, é porque algo está errado. A Natureza pode estar pedindo ajuda!”, afirma a agricultora, que também facilitou duas oficinas sobre Sementes Crioulas durante o Encontro do Núcleo Litoral Catarinense.

Jandira de Oliveira Lima: agroecologia para reencontrar as raízes

Como uma mulher guarani vivendo na cidade de Guarapuava (PR), distante de seu povo, não foram poucas as discriminações enfrentadas por Jandira de Oliveira Lima. O convivência entre brancos não a fez perder suas raízes e saberes. Dentro da Rede Solidária Popyguá, que reúne cerca de 40 famílias de 9 terras indígenas do Paraná e de Santa Catarina, Jandira utiliza seus saberes sobre plantas medicinais para produzir óleos essenciais, além de peças de artesanato com sementes. “Tirei tudo da terra e nunca usei veneno, e assim ensinamos nossas crianças”, afirma. A Rede é apoiada pela Organização Outro Olhar, que fomenta a agroecologia nas terras indígenas, muitas vezes degradadas pela agricultura convencional.

Anelise Becker: protagonismo feminino e juvenil

Filha de agricultores agroecológicos, Anelise cresceu participando de Encontros da Rede Ecovida de Agroecologia e militando na Pastoral da Juventude em Morrinhos do Sul, município da região de Torres (RS), pertencente ao Núcleo Litoral Solidário da Rede Ecovida de Agroecologia. “Em primeiro lugar, sou agricultora”, afirma Anelise, que também defendeu o mestrado em Desenvolvimento Rural na Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Na sua pesquisa, identificou que a permanência de jovens e o protagonismo das mulheres é maior nas famílias ligadas à Agroecologia.  Ressalta, entretanto, que “por mais que se reconheça o protagonismo dos jovens dentro do movimento agroecológico, por causa do patriarcado isso ainda é um tabu dentro das famílias”.

Dirlei Conceição Luiz: união de mulheres transformando realidades

Moradora de Cerro Negro, um dos municípios com menor IDH de Santa Catarina, Dirlei é uma das lideranças da Associação das Mulheres do Cruzeirinho, que reúne 12 famílias desta comunidade. Com apoio do Centro Vianei de Educação Popular, as mulheres do Cruzeirinho acessaram uma linha de crédito para construir estufas de produção de hortaliças, que elas certificam através da Rede Ecovida e entregam na alimentação escolar do município. “Na nossa localidade, muitas mulheres não tem terreno para plantar, por isso para nós a Agroeocologia é um desafio. Mesmo assim, essas mulheres trabalham em uma horta comunitária, e todos os dias elas vão até essa horta e discutem os desafios enfrentados”, conta a agricultora.

MULHERES E JUVENTUDE PROTAGONIZAM ENCONTRO DO NÚCLEO LITORAL CATARINENSE

Ana Meirelles, Diva Vani Deitos, Tânea Mara Follman e Kathrine de Souza com a juventude agroecológica: as quatro falaram no painel de encerramento do Encontro.

Além das mais de 20 participantes de outros 4 núcleos da Rede Ecovida, do MMC e de organizações parceiras do Cepagro no projeto apoiado pela IAF, uma turma de 35 jovens mobilizados pelo Slow Food enriqueceu ainda mais a vivência do 11º Encontro do Núcleo Litoral Catarinense da Rede Ecovida de Agroecologia, continuação do Festival SANTA CATARINA AGROECOLÓGICA. Uma linda sessão de dança circular mediada pela companheira Magna Machado trouxe uma energia especial para o começo do encontro.

Assim como no Seminário, durante o Encontro o protagonismo continuou feminino: na palestra de abertura, Adélia Schmitz, do MMC, trouxe a mesma garra e disposição na defesa pela Agroecologia feminista compartilhada durante o Seminário, emocionando principalmente as agricultoras que a assistiam. “Me senti representada por ela”, afirmou Maria Silvestre, agricultora de Guaramirim (SC), integrante do Grupo Rio Cristina. A identificação entre as agricultoras não foi por acaso: assim como Adélia, Maria é uma liderança em sua comunidade, atuando no Sindicato dos Trabalhadores Rurais e na Pastoral da Saúde, além de outros espaços de incidência política do município. As duas também estiveram juntas na Marcha das Margaridas de 2015, em Brasília. “Eu acho que a gente como mulher e como mãe tem que participar desses espaços. Parar de reclamar e participar mais. Eu tenho que ir lá e mostrar o que eu quero para o município”, afirma Maria.

“Sair de casa”, contudo, ainda é um desafio para muitas mulheres do campo e também da cidade: “Nós fomos educadas para sermos boas mães, boas esposas, saber administrar bem uma casa e assim por diante. Então, a primeira dificuldade que a gente encontrou é a de ter a vontade de sair de casa”, explica Adélia Schmitz. Frente ao isolamento enfrentado por tantas mulheres rurais, a união com outras companheiras em redes e movimentos é fundamental para vencer as barreiras que as prendem nos papéis tradicionais associados às mulheres. Como afirma Ana Meirelles, do Núcleo Litoral Solidário da Rede Ecovida de Agroecologia: “Sempre lutamos para a mulher participar não só pra dentro da porteira, mas também para fora”. Rosalina da Silva, do MMC, completa: “Foi no movimento que descobri essa capacidade a gente tem de ser feminista e camponesa ao mesmo tempo, e trazer os companheiros pra ser feminista junto com a gente. Foi no movimento que a gente teve essa segurança de que era correto ir pra luta”.

As agricultoras Adélia Schmitz e Maria Silvestre, companheiras na luta pela agroecologia.

 

 

 

CRIANÇAS TAMBÉM TÊM O SEU ESPAÇO: NO ENCONTRINHO!

Uma equipe de Pedagogas do Núcleo de Desenvolvimento Infantil da UFSC e estudantes do CCA criaram momentos especiais para o futuro da Agroecologia.

 

 

O COLORIDO DA AGROECOLOGIA NA FEIRA DE SABERES, SABORES E SEMENTES 

INTERCÂMBIO ENTRE GRUPOS E NÚCLEOS DA REDE ECOVIDA
Treze grupos do Litoral Catarinense participaram deste Encontro, que contou também com a presença de representantes de outros 4 Núcleos da Rede do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina.

OFICINAS COM PARTICIPAÇÕES ESPECIAIS
Rosalina da Silva, a “bruxinha do MMC” canta, na abertura de sua oficina de Plantas Medicinais brindada durante o Encontro: “É em grupo, com as companheiras, que a bruxinha encontra forças pra lutar”. Além de Rosalina, Lourdes Bodaneze e Adélia Schmitz também facilitaram oficinas durante o Encontro, sobre Sementes Crioulas e Gênero e Agroecologia, respectivamente.

Oficina de Sementes Crioulas, com Lourdes Bodaneze

Oficina “Gênero e Agroecologia”

Outros temas abordados nas oficinas foram: Mudas e Estaquias, Calendário Biodinâmico, Economia Solidária (com o Instituto Nhandecy, de Curitiba), Comercialização, Agroflorestas, Meliponicultura, Compostagem e Agricultura Urbana (com a Revolução dos Baldinhos) e muitas outras. Confira a galeria de imagens!

Oficina AGROFLORESTAS
Oficina MUDAS E ESTAQUIAS
Oficina COGUMELOS
Oficina COGUMELOS

 

 

 

 

Oficina CALENDÁRIO BIODINÂMICO e PLANEJAMENTO DE PRODUÇÃO
Oficina DINÂMICAS DE COMERCIALIZAÇÃO NO NÚCLEO LITORAL CATARINENSE

Através do patrocínio da Fundação Banco do Brasil, o Cepagro adquiriu mais de 500 mudas de espécies nativas com a Associação de Preservação do Meio Ambiente e da Vida (APREMAVI), organização de Atalanta (SC). As mudas foram distribuídas gratuitamente aos participantes do Encontro.

 

Além de fortalecer as vozes da juventude, os jovens mobilizados pelo Slow Food também colaboraram na preparação dos cafés e lanches do domingo durante o Encontro do Núcleo Litoral Catarinense da Rede Ecovida.

Jovens de toda Santa Catarina participaram do Encontro, mobilizados pelo Slow Food, através da facilitadora Giselle Miotto

MESA FEMININA ENCERRA O ENCONTRO

Mantendo o protagonismo feminino do Festival, o painel de encerramento do Encontro do Núcleo Litoral Catarinense reuniu mulheres de 4 núcleos da Rede Ecovida de Agroecologia para debater “Origens e Presente do Sistema Participativo”. Lideranças históricas da Rede Ecovida como Diva Vani Deitos (Núcleo Oeste de SC) e Ana Meirelles (Núcleo Litoral Solidário) compartilharam a palavra com a atual coordenadora do Núcleo Litoral Catarinense, Tânea Mara Follmann, e a jovem agricultora Kathrine de Souza, do Núcleo Planalto Serrano.

 

 

Antes das doces despedidas – sobremesas preparadas com muito carinho pela equipe chefiada pela anfitriã, agricultora e cozinheira Sônia Jendiroba –, duas candidaturas foram apresentadas para receber o próximo Encontro do Núcleo: Biguaçu e Anitápolis. A confirmação será na próxima reunião do Núcleo, no início de novembro, em Major Gercino.