Ação Solidária COVID 19 fecha ciclo de entregas com 10 toneladas de alimentos distribuídas

Entre outubro de 2020 e março de 2021, quase toda quarta-feira às 7h30 da manhã a engenheira agrônoma Isadora Escosteguy estava na sede do Cepagro, no campus Itacorubi da Universidade Federal de Santa Catarina. Sem atividades presenciais por conta da pandemia, o escritório da organização se transformou numa central de abastecimento agroecológico. Por ali passaram as 10 toneladas de alimentos adquiridos ao longo de 6 meses de 14 famílias agricultoras e do Circuito de Comercialização da Rede Ecovida de Agroecologia, de 2 cooperativas do Movimento dos/as Trabalhadores/as Rurais Sem Terra, além da aldeia equipe-cepagro-indo-entregar-alimentos-acao-covid-19guarani Tekoá Vy’á. Isadora pesava, contava e distribuía as mais de 20 variedades de alimentos de acordo com as demandas de 6 cozinhas comunitárias de Florianópolis. Isso tudo com outros companheiros e companheiras da organização, como o técnico agrícola Charles Lamb, a educadora do campo Erika Sagae, a jornalista Clara Comandolli, o administrador de empresas Eduardo Rocha e o engenheiro Rafael Beghini. A picape Cepagro era carregada com os pedidos e perto das 11h Isadora saía com o/a colega da semana para a rota de distribuição, passando pelo Centro, Bairro Monte Cristo, Vila Aparecida, Ribeirão da Ilha e Rio Vermelho.

WhatsApp Image 2020-10-09 at 19.54.42Essa era apenas uma parte da lida da Ação Solidária COVID 19, iniciativa de articulação entre campo e cidade para distribuição de alimentos junto a cozinhas comunitárias. Nos outros dias da semana, Isadora e Charles estavam em contato com as famílias agricultoras e cooperativas para organizar a entrega dos alimentos no Cepagro, pensar a produção para os próximos períodos, coletar as demandas das cozinhas. “Através do trabalho em rede, a AÇÃO SOLIDÁRIA COVID 19 coloca no debate o direito à alimentação adequada e saudável e a Segurança Alimentar das comunidades periféricas em Florianópolis. A ação aproxima o campo e a cidade por meio da promoção da agroecologia nos territórios. Acreditamos que o alimento de verdade é uma ferramenta transformadora para enfrentar momentos de crise, não só sanitária, mas também socio-cultural, ambiental e econômica”, afirma Isadora. 

WhatsApp Image 2020-11-30 at 17.09.23 (1)A iniciativa contou com apoio da Inter-American Foundation, sendo incluída no projeto LA 188, que o Cepagro desenvolve desde 2016, como uma ação emergencial para mitigação dos impactos da pandemia.  “Quando emergiu essa problemática da fome na pandemia, de imediato começamos a pensar estratégia de abastecer estruturas coletivas que estivessem distribuindo alimentos a família em situação de vulnerabilidade. E assim desenvolvemos, com parceiros institucionais, a Ação Solidária COVID 19”, explica Charles Lamb, articulador do projeto. “Por isso foi muito importante nosso histórico de articulação com famílias agricultoras da região e também no meio urbano, com diferentes coletivos que se organizaram”, completa.

Cozinhas comunitárias: espaços de resistência pelo alimento

IMG_3250Quando geridas por governos estaduais ou municipais, as cozinhas comunitárias são consideradas equipamentos públicos de Segurança Alimentar e Nutricional, assim como os bancos de alimentos e os restaurantes populares. Infelizmente, em Florianópolis, não temos nenhuma Cozinha Comunitária sob responsabilidade do Estado. O que temos é uma rede de cozinhas comunitárias solidárias – formadas por grupos de pessoas engajadas nos bairros da cidade – que se fortaleceram durante a pandemia, quando a fome ganhou proporções alarmantes.

Com diferentes dinâmicas e estruturas, elas têm levado alimento de qualidade para pessoas em situação de vulnerabilidade social. Sem recursos do poder público, elas vivem de doações e da boa vontade de seus voluntários/as tornando-se espaços de encontro, inclusão social e fortalecimento de vínculos comunitários.

122912893_1122454044840489_4374407563270142912_oUma das cozinhas que recebeu alimentos semanalmente é a Cozinha Mãe, que atua desde 2018 no bairro Monte Cristo. “Esse ano a gente viu aumento muito brusco do desemprego, da ausência do poder público, nenhuma cesta foi entregue na comunidade. Essa parceria com o Cepagro foi fundamental pra ter alimento de qualidade nesse momento tão delicado da pandemia. A Cozinha foi um ponto forte para trabalhar a fome na comunidade”, conta Cíntia Cruz, coordenadora da cozinha e presidente da associação 106455923_1645396385636523_6880441035056903941_nRevolução dos Baldinhos. “A cozinha comunitária tem esse poder de interceder, sensibilizar, cultivar e fortalecer as relações. A nossa atuação tem um poder muito grande de transformar de fato essas realidades, porque diante do abandono do poder público, essas ações estão conseguindo chegar diretamente em quem precisa. Fortalecer um espaço desses é fortalecer a base, porque a gente tem uma relação direta com as famílias da comunidade”, completa. 

IMG_3327Do outro lado da BR 1010, na Vila Aparecida, outra cozinha comunitária foi atendida pela Ação Solidária COVID 19. Inaugurada em junho de 2020, o dia 27 de junho, a cozinha comunitária do Centro de Integração Social Santa Dulce dos Pobres  tem o propósito de preparar e distribuir pelo menos 150 marmitas semanalmente aos moradores da comunidade da Vila Aparecida e da Maloca. A iniciativa tem o apoio e envolvimento de lideranças comunitárias, organizações da sociedade civil e voluntários, além da Ação Social Arquidiocesana. “são pessoas da comunidade que preparam os alimentos e distribuem para famílias da comunidade”, explica o  técnico de Projetos Sociais da ASA,  Luciano Leite da Silva Filho.

IMG_3356A Cozinha Solidária Ribeirão da Ilha foi outra iniciativa voluntária para atuar frente ao crescimento da fome na pandemia, distribuindo marmitas no Centro de Florianópolis e também em São José, sobretudo para população em situação de rua. Inicialmente atuando com doações de pessoas físicas, a equipe da cozinha viu uma oportunidade de fortalecer o trabalho com o aporte dos alimentos da Ação Solidária COVID 19. “Esses alimentos, além de maravilhosos por serem orgânicos na maioria das vezes, vieram num momento que as doações diminuíram muito. Foram muito importantes”, avalia Shira Maciel, culinarista e voluntária do projeto.

Segurança alimentar para além da cesta básica

WhatsApp Image 2021-02-11 at 17.32.02No percurso da Ação Solidária COVID 19, ficou evidente a diferencial de promover segurança alimentar pela Agroecologia, indo além da distribuição de cestas básicas. Isso porque, junto com os alimentos, chegam reflexões sobre segurança alimentar e o papel do estado na sua promoção. “O movimento agroecológico tem a oportunidade de falar de falta de comida, de dificuldade de abastecimento, de precariedade do duduabastecimento por parte do governo, mas trazendo junto o alimento saudável, adequado e socialmente justo. A Agroecologia tem essa potência: trazer o alimento e o abastecimento para a centralidade do combate a fome com qualidade alimentar, justiça social. Bem diferente de combater a fome somente com cestas básicas”, afirma Eduardo Rocha, diretor-presidente do Cepagro e que também atuou na equipe do projeto. 

Mesmo sabendo dos nossos limites enquanto organização da sociedade civil, e que o enfrentamento à fome passa fundamentalmente pela adoção de uma postura do Estado brasileiro de priorizar a segurança alimentar da população, fomentando e mantendo políticas públicas para que as pessoas voltem a ter pelo menos três refeições ao dia, acreditamos que essas micro iniciativas servem de exemplo de como a Agroecologia enquanto modo de produção e abastecimento é o melhor caminho para promover a segurança alimentar nas comunidades.

Fortalecendo a Segurança Alimentar também nas comunidades guarani

Assim como nas comunidades urbanas, no contexto rural e de povos e comunidades tradicionais a promoção da Segurança Alimentar preconizada pela AÇÃO SOLIDÁRIA COVID 19 vai além da distribuição de cestas básicas. No caso da aldeia guarani Tekoá Vy’á, em Major Gercino, o projeto envolve o estímulo à produção de alimentos agroecológicos que servem tanto às famílias da comunidade quanto das periferias urbanas, aonde chegam através da AÇÃO SOLIDÁRIA COVID 19. 

WhatsApp Image 2021-02-10 at 17.27.53Cultivada desde 2018, a parceria entre o Cepagro e a comunidade guarani trouxe aportes como mudas e sementes para agricultura, materiais para artesanato, participação das famílias em feiras para comercialização de seus produtos, além da promoção de práticas de conservação do solo.

A chegada da pandemia impactou a comunidade guarani, já que não era mais possível sair da aldeia para vender artesanato, uma das principais fontes de renda das famílias. Nesse momento, a produção de alimentos iniciada no ano anterior aliviou um pouco os efeitos dessas restrições, pois serviu para abastecer as famílias da aldeia e também serem comercializados, gerando renda.

Os guaranis forneceram para a AÇÃO SOLIDÁRIA COVID 19 cerca de 200 kg de batata doce, 150 kg de banana e 260 kg de feijão – tudo produzido sem agrotóxicos. Mudas e sementes conservadas pela agricultura familiar e movimentos sociais frutificaram no solo guarani, provendo alimentos de qualidade às periferias urbanas. O projeto também distribuiu o arroz do MST para as famílias guarani, fortalecendo sua base alimentar com um produto orgânico da reforma agrária.

Agricultura Familiar: cultivando a Segurança Alimentar da população 

WhatsApp Image 2020-11-30 at 17.20.01Responsável pela produção de 70% dos alimentos consumidos pelos/as brasileiros/as, durante a pandemia a agricultura familiar reforçou seu compromisso com a segurança alimentar. No âmbito da Ação Solidária COVID não foi diferente: para abastecer as cozinhas comunitárias, o CEPAGRO contatou grupos e cooperativas de agricultores/as familiares,  conectando campo e cidade com comida de verdade.

Dentre as iniciativas fornecedoras de alimentos estão a Rede Ecovida de Agroecologia, que reúne mais de 4 mil famílias agricultoras do Sul do Brasil. Para a Ação Solidária COVID, recebemos alimentos de 14 famílias da Rede. Além disso, compramos arroz orgânico da Cooperativa de Produção Agropecuária Nova Santa Rita (COOPAN-RS), ligada ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), maior produtor de arroz agroecológico da América Latina. Grande parte do feijão distribuído veio da CooperConstestado, de Fraiburgo (SC), também ligada ao MST.

bárbaraValorizar quem produz comida de verdade para a população, sobretudo num contexto de pandemia, também é promover a Agroecologia. E seguimos na luta para que essa valorização seja retomada em políticas públicas de apoio à agricultura familiar, às cozinhas comunitárias, aso equipamentos públicos de segurança alimentar. Do Assentamento Comuna Amarildo de Souza, um dos fornecedores de alimentos para a Ação Solidária, vem o indicativo desse caminho: “É necessário se organizar para se inserir nas tomadas de decisões políticas que favoreçam a Agroecologia e não o agronegócio. Nós somos beneficiados hoje pela nossa luta e podemos nos alimentar e também oferecer alimentos de qualidade para nossos consumidores e para projetos como da Ação Solidária”, afirma a agricultora e agrônoma Bárbara Ventura, assentada da Comuna. 

WhatsApp Image 2021-03-22 at 16.45.52 (1)Para favorecer essa discussão, a sequência da Ação Solidária COVID 19 será com formações cidadãs com as equipes das cozinhas, abordando temas como fortalecimento institucional, segurança e soberania alimentar e direito humano à alimentação adequada.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s