Alimentamos nosso povo e construímos movimento para mudar o mundo

É o que afirma a Carta da 7ª Conferência da Via Campesina, realizada de 16 a 24 de julho no País Basco. Reproduzimos o documento abaixo, destacando que: A agroecologia camponesa é a base da nossa proposta e visão da soberania alimentar dos povos dos povos do mundo. Para fazer isso, insta uma verdadeira reforma agrária abrangente e popular, a defesa dos camponeses e territórios indígenas e a recuperação dos sistemas alimentares locais.

Carta Oficial da 7ª Conferência Internacional da Via Campesina

Euskal Herria, País Basco

16 ao 24 de julho de 2017

Alimentamos nosso povo e construímos movimento
para mudar o mundo

Delegados e delegadas da Via Campesina, representando os nossos movimentos e organizações, estamos reunidos no País Basco de 16 ao 24 de julho de 2017 para celebrar nossa VII Conferência Internacional. Euskal Herria é uma terra bonita de solidariedade, luta, resistência, com sua própria língua, onde a tradição de boa comida produzida por agricultores/as e pescadores/as locais é mantida viva. Nós, os camponeses/as, trabalhadores/as rurais, sem terra, povos indígenas, pastores, pescadores/as artesanais, mulheres camponesas e outros povos que trabalham no campo em todo o mundo declaramos que nós alimentamos nosso povo e construir um movimento para a mudança o mundo.
Com o aumento do capital financeiro, tem havido um período concentração desenfreada da nossa água, semente, terra e território. Tecnologias perigosas são promovidas, às vezes com impactos irreversíveis, tais como transgênicos, produção animal confinado em grande escala e biologia sintética. Acelera-se a substituição das economias produtivas reais pela economia financeira, sob a dominação do capital especulativo. As megafusões concentrar mais do que nunca o domínio sobre os sistemas alimentares. Há uma nova fórmula do neoliberalismo combinado com o discurso do ódio, em que os problemas causados pela mesma concentração de riqueza estão sendo usados para dividir o nosso povo e criar conflitos étnicos, religiosos e migrante. Estamos enfrentando uma onda de violação dos nossos direitos humanos, companheiros e companheiras mortas, presos, torturados e ameaçados em todo o mundo.
Os concentradores de recursos fazem guerra contra nós, muitas vezes através da OMC, Banco Mundial, FMI, o imperialismo, os acordos de livre comércio e leis que privatizam os nossos bens comuns, mas cada vez mais através de bombardeio, ocupação militar e as medidas econômicas genocidas. Nós estamos em solidariedade com a Palestina e outros povos que continuam a sofrer e resistir contra essas imposições. Milhões de migrantes e refugiados estão sendo deslocados pela guerra e falta de acesso às necessidades básicas.
Além disso, em muitas sociedades sopra um vento frio de xenofobia, racismo, fundamentalismo religioso e ódio de classe. A criminalização da migração e protesto social está ligada ao poder da mídia corporativa hegemônica que demoniza os setores organizados do povo. A mídia corporativa defende os interesses do capital e, recentemente, estão promovendo a derrubada de alguns governos e colocando outros. O poder midiático manipula grandes segmentos da população, criando condições para violações dos direitos humanos.
O sistema capitalista e patriarcal não é capaz de reverter a crise em que vive a humanidade, apenas continue destruindo nossos povos e aquecendo à Mãe Terra. A Terra está viva, mas o capitalismo é uma doença que pode matar.
Diante dessa grave situação, nós:

  1. Nós alimentamos nosso povo:
    Por mais de meio século, nós foram vendidos a ideia da “revolução verde”, que não tem nada revolução ou verde. Sob o pretexto de produtividade ao curto prazo, este modelo de agronegócio tem envenenado o solo, monopolizado e poluído a água, tombado florestas, secado rios e substituído as nossas sementes com sementes comerciais e transgênicas. Em vez de acabar com a fome, o agronegócio tem criado mais problemas de alimentação, e deslocados ao povo do campo. É um modelo de agricultura sem agricultores / as altamente excludente. Enquanto o agronegócio recebe subsídios e políticas favoráveis, em nossa agricultura camponesa e indígena vamos continuar fazendo o que temos feito há milênios: produzir alimentos saudáveis para as nossas famílias, comunidades e povos.
    Enquanto os governos impor leis de sementes que garantem a privatização e os lucros das transnacionais, nós cuidamos as sementes camponesas, trabalhadas, selecionado e melhorado por nossas antepassadas. Nossas sementes são adaptadas à nossa terra, onde com manejo agroecológico produzimos sem a necessidade de comprar agrotóxicos ou outros insumos externos. Nossa agroecologia camponesa alimenta o solo com matéria orgânica, se baseia na biodiversidade, preserva e restaura variedades de sementes e raças de animais camponês, trabalhando com a sabedoria dos povos e com a Mãe Terra para nos alimentar. Sua principal fonte é o conhecimento camponês indígena, ancestral e popular que temos acumulado ao longo de gerações, dia a dia, através da observação e pesquisa constante em nossa terra, compartilhada após durante trocas entre camponeses e entre as nossas organizações. Nossa agroecologia tem um camponês e popular; ela não se presta a soluções falsas como o capitalismo “verde”, os mercados de carbono e a agricultura “climaticamente inteligente”. Rejeitamos qualquer tentativa de cooptação da agroecologia pelo agronegócio.
    A agroecologia camponesa é a base da nossa proposta e visão da soberania alimentar dos povos dos povos do mundo. Para fazer isso, insta uma verdadeira reforma agrária abrangente e popular, a defesa dos camponeses e territórios indígenas e a recuperação dos sistemas alimentares locais.
    Além de fortalecer e desenvolver nossos mercados de camponeses, precisamos construir novas relações entre as classes populares do campo e da cidade, bem como novos canais de distribuição e vendas, a construção de um novo modelo de relações sociais humano, econômico e baseada no respeito , solidariedade e ética. A reforma agrária, agroecologia camponesa e a soberania alimentar, esfriamos o planeta e construímos sociedades mais justa e humana.
  2. Construímos movimento:
    A humanidade em crise busca soluções. Cada vez mais, o nosso movimento é uma referência para os povos que lutam. La Via Campesina continua a crescer e nossa proposta se fortalece. No entanto, os nossos inimigos também se fortalecem e nossa construção de movimento enfrenta desafios para avançar.
    A luta de massas é o coração da Via Campesina. O trabalho de base das nossas organizações devem ser reforçadas, para integrar mais trabalhadores e trabalhadoras do campo, mais camponeses e camponesas , mais comunidades indígenas, mais migrantes, mais aldeias da diáspora africana, mais atingidos/as pelo modelo do capitalismo agro-hidro -extrativista. Precisamos fortalecer as parcerias a nível local, nacional e internacional, sobretudo entre as classes trabalhadoras do campo e da cidade
    Nosso movimento tem o patriarcado como inimigo. O caráter feminista da Via Campesina reforçar a nossa unidade e compromisso de combater pela igualdade e equidade de gênero. A chave para o fortalecimento de nossas próprias organizações e alcançar alianças mais amplas é a construção de um movimento feminista camponês dentro Via Campesina. Fortalecer a participação política das mulheres em todas as áreas e níveis de nosso movimento. Nossa luta é por um fim a todas as formas de violência contra a mulher: física, sexual, psicológica e econômica. Comprometemo-nos a aumentar nossa capacidade de compreender e criar ambientes positivos em torno de gênero dentro das nossas organizações e nossas alianças. A falta de tolerância para a diversidade é parte do processo de mudança da juventude rural. Um campo diversificado, não violento e inclusivo é crucial para La Via Campesina.
    Em todo o mundo a juventude tem sido cada vez mais expulsa do campo pelas várias formas de capital e patriarcado e a discriminação de idade restringe a sua visibilidade e participação plena em nossas organizações. E nós nos comprometemos com as novas gerações no campo e em nosso movimento, buscando a plena inclusão dos jovens nas áreas de liderança e de tomada de decisão dentro das nossas organizações, formação e produção de alimentos agroecológicos.
    Milhões de nós migraram como forma de resistência para não desaparecer como povos, como camponeses/as, como as mulheres ou como jovens. Desafiamos limites, derrubamos muros e enfrentamos o racismo e a xenofobia. Nós construímos um movimento articulando a camponeses/as, trabalhadores / as rurais e migrantes, e não como vítimas merecedoras de assistência, mas como detentores de direitos, incluindo o nosso direito à livre circulação.
    Nosso trabalho com nossos aliados para conseguir uma Declaração da ONU sobre os direitos dos camponeses e outras pessoas que trabalham em áreas rurais é de fundamental importância para centenas de milhões de pessoas em todo o mundo. Vamos fortalecer o trabalho nos nossos países para conseguir a adoção. Este instrumento crucial vai fortalecer os direitos dos povos do campo para proteger seus meios de vida e continuar a alimentando o mundo.
    Temos de continuar a acelerar a formação política e ideológica, organizacional e técnica com os nossos próprios pensamentos, formando pessoas para a luta e para a transformação porque sabemos a educação convencional quebra com a nossa identidade e pensamento. A formação é crucial para os nossos movimentos criar sujeitos novos e ativos, sujeitos para forjar nosso próprio destino. Em nossa luta também é necessário para continuar a construir a nossa própria comunicação autônoma e parcerias com meios de comunicação alternativos, o que nos tornaria conscientes da nossa cultura, a nossa dignidade e nossa capacidade de transformar a sociedade.
  1. Para mudar o mundo:

O caminho é longo. Estamos crescendo como um movimento, mas o capitalismo selvagem e guerras de um sistema global em crise colocaram todos nós, nossas comunidades, organizações e sociedades em situação de risco. Diante da barbárie é urgente construir outro futuro para a humanidade. Em um contexto extremamente complexo, La Via Campesina é uma motor de luta pela transformação e garante a paz no mundo. Através do nosso trabalho diário no campo, a nossa contribuição global para a alimentação, nossas parcerias e nossa luta pela soberania alimentar, temos conseguido a confiança de grande parte dos povos e movimentos. Nós assumimos a responsabilidade de continuar a semear a paz neste planeta, assim como temos globalizado a luta e semeado a esperança em todos os cantos do mundo.    
É de particular importância que a nossa luta tenha alcançado um novo reconhecimento do campesinato, e conseguiu mudar os próprios termos de debates internacionais e nacionais sobre alimentação, agricultura e rural. Nunca mais as políticas serão formuladas sem ouvir as nossas vozes em alto, ou sem estar na mesa o tema dos direitos dos camponeses, agroecologia, reforma agrária e, especialmente, a soberania alimentar.
Crescer e fortalecer-nos como um movimento significa cuidar do trabalho de base, forma alianças, luta contra o patriarcado, o imperialismo e o capital financeiro com convicção, compromisso e disciplina. Esta luta é fundamental para a humanidade e a supervivência da Mãe Terra. De Euskal Herria, fazemos um chamado aos povos do mundo para lutar juntos. É hora de construir um mundo de fraternidade e solidariedade entre os povos.

“Alimentamos nosso povo e construímos movimento para mudar o mundo”

Globalizemos a luta!
Globalizemos a esperança!

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s