Diversificação em Áreas Cultivadas com Tabaco é tema de Seminário em Florianópolis

O Cepagro realiza a articulação local do evento, que acontece de 5 a 7 de junho no Majestic Palace Hotel, em Florianópolis, trazendo representantes da Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário (Sead), da Secretaria Executiva da Convenção Quadro para o Controle do Tabaco, da Fundação Oswaldo Cruz e Fundação do Câncer, além de organizações de assistência técnica e extensão rural que promovem alternativas ao cultivo de tabaco nos três estados do Sul do País. O objetivo é debater potencialidades e estratégias de diversificação em áreas cultivadas com tabaco, com vistas a atender as recomendações da Convenção-Quadro de Controle do Tabaco (CQCT) e aperfeiçoar o Programa Nacional de Diversificação de Áreas Cultivadas com Tabaco. 

O Brasil é um dos maiores produtores mundiais de tabaco e líder em exportações desse produto. Com a queda no consumo interno de cigarros, abarrotamento de estoques mundiais e crescente atenção para os impactos socioambientais da produção de fumo – atividade que só em Santa Catarina envolve mais de 40 mil famílias de agricultores – a discussão sobre alternativas ao cultivo de tabaco tem ganhado importância. Com a implementação do Programa Nacional de Diversificação em Áreas Cultivadas com Tabaco pelo Ministério do Desenvolvimento Agrário em 2006, o Brasil tornou-se referência mundial na promoção de alternativas à produção de fumo. Buscando avaliar e qualificar os resultados de uma década de Programa, a Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário (Sead) e a Secretaria Executiva da Convenção Quadro para o Controle do Tabaco promovem de 5 a 7 de junho, no Majestic Palace Hotel, em Florianópolis, o Seminário sobre Diversificação em Áreas Cultivadas com Tabaco.

A ideia do evento é criar um espaço de diálogo participativo baseado em quatro temáticas principais: o estado da diversificação de cultivos no Brasil; desafios e gargalos para a diversificação; experiências brasileiras e políticas públicas, marcos legais e instrumentos internacionais para a promoção da diversificação do tabaco. Estarão presentes representantes da Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário (Sead), da Secretaria Executiva da Convenção Quadro para o Controle do Tabaco, da Fundação Oswaldo Cruz e Fundação do Câncer, além de organizações de assistência técnica e extensão rural que promovem alternativas ao cultivo de tabaco nos três estados do Sul do País.

O Cepagro atuou junto a 100 famílias do Alto Vale do Rio Tijucas promovendo a agroecologia como alternativa ao cultivo de tabaco.

O Seminário conta com apoio local do Cepagro, que desde 2006 assessora famílias que desejam migrar do cultivo de tabaco para o de alimentos orgânicos. Entre 2014 e 2016, por exemplo, o Cepagro trabalhou junto a 100 famílias de agricultores dos municípios catarinenses de Major Gercino, Nova Trento e Leoberto Leal através de um projeto financiado pelo Fundo para Reconstituição de Bens Lesados do Ministério Público de Santa Catarina. A organização também já participou do Programa Nacional de Diversificação em Áreas Cultivadas com Tabaco do antigo Ministério do Desenvolvimento Agrário.

Mais do que promover uma “substituição de cultivos”, a Diversificação em Áreas Cultivadas com Tabaco busca reduzir os impactos socioambientais negativos da fumicultura na região, atendendo ao Artigo 17 da Convenção-Quadro para Controle do Tabaco (CQCT), primeiro tratado internacional de saúde pública que tem o objetivo de reduzir as consequências sociais, ambientais, sanitárias e econômicas da produção e consumo do tabaco

Apesar de configurar uma atividade rentável em alguns momentos, o cultivo de tabaco também mostra-se muito desgastante para o agricultor. À excessiva demanda por mão-de-obra, principalmente durante a época da colheita, soma-se a Doença da Folha Verde do Tabaco, conhecida também como “porre do fumo”: intoxicação aguda decorrente da absorção da nicotina pela pele, trazendo sintomas como enjoo, náuseas, perda do apetite e do sono. A impregnação é maior quando as plantas estão molhadas ou as mãos úmidas de suor, o que é comum durante a colheita, realizada nos meses mais quentes do ano.  A indústria já desenvolveu uma roupa que supostamente protegeria o agricultor do “porre do fumo”, mas que não vem sendo usada, por ser muito quente e a colheita ser feita durante o verão. O contato constante com agrotóxicos e as oscilações do mercado mundial de tabaco também são queixas frequentes dos agricultores que ainda dependem do cultivo de fumo.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s