Análises laboratoriais atestam a seriedade da Certificação Participativa

cartaz-Ecovida
Dentre os produtos avaliados, a cebola e o feijão do ex-fumicultor Jair Scheidt, de Imbuia (Núcleo Litoral Catarinense)

Análises químicas realizadas pelo laboratório AgroSafety, a pedido da CIDASC, atestaram a conformidade orgânica das amostras de 5 produtos agroecológicos coletados no Box 721 da Ceasa de São José (SC). O resultado é um sinal da legitimidade do controle social exercido pela Certificação Participativa da Rede Ecovida, neste caso representada pelos seus Núcleos Planalto Serrano (maçã e batata inglesa), Litoral Catarinense (cebola e feijão) e Sul Catarinense (arroz).

O monitoramento é fruto de um Termo de Ajuste de Conduta (TAC) entre o Ministério Público de Santa Catarina e a Ceasa, cuja finalidade é melhorar a rastreabilidade dos produtores e fornecedores e aferir a sanidade de produtos hortifrutigranjeiros. Nas análises residuais, são analisados 94 parâmetros, referentes a compostos químicos presentes na formulação dos agrotóxicos. A avaliação monitora não somente os excessos dos venenos permitidos, quanto o uso de outros vetados pela legislação nacional. Amostras de produtos convencionais (não orgânicos) coletadas em outros boxes da Ceasa SC revelaram irregularidades nestes 2 quesitos.

Embora haja avanços na produção agroecológica, o Brasil é ainda maculado como o maior consumidor mundial de agrotóxicos, absorvendo 19% da produção global. O assunto é preocupação central do CONSEA (Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional), que no último mês de julho encaminhou uma exposição de motivos à presidente Dilma Roussef cobrando o enfrentamento ao uso descontrolado desses venenos na agricultura nacional. O documento assinala que o país segue na contramão das tendências internacionais, uma vez que a ONU, em suas instâncias de Comércio e Desenvolvimento e Direito Humano à Alimentação, recomenda aos países que minimizem o uso de agroquímicos investindo em diferentes tipos de agriculturas alternativas, tendo a agroecologia como principal paradigma.

No link abaixo, a íntegra do documento.

EM_003_Agrotóxicos_Plenária_verso_final_26 6 13 revisao M Emilia

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s