Centros de Referência em Assistência Social receberão curso de Agricultura Urbana

A partir de 13/08, os profissionais do CRAS (Centro de Referência em Assistência Social) de Florianópolis participarão do Curso de Agricultura Urbana com Enfoque Agroecológico, desenvolvido e realizado pela equipe técnica do Cepagro.  Inicialmente, serão contemplados trabalhadores de 4 unidades: Tapera, Rio Tavares, Ingleses e Monte Verde. O Curso acontecerá no Camping do Rio Vermelho.

Com 5 encontro e um total de 30 horas/aula, será composto por metodologias participativas com dinâmicas, trabalhos de grupo e exposições desde o histórico da agricultura, urbanização, solos, produção de mudas, adubação, biofertilizantes, épocas de plantio, ciclos de vida, planejamento de produção e outros, visando implementação de um projeto piloto numa das unidades do CRAS. Objetiva-se contribuir para a Segurança Alimentar das comunidades e incentivar as reflexões sobre o território onde vivem.

Maior cidade do país incorpora compostagem em suas iniciativas de gestão de resíduos

Não resta dúvida de que a maior cidade do Brasil, e uma das maiores do planeta, seja abundante em superlativos. Eis mais um deles, talvez desconhecido pela maioria: São Paulo possui, ao todo, 900 feiras de rua em seu perímetro urbano.

Buscando alternativas para a limpeza ambientalmente correta destes espaços, já que boa parte das sobras é de resíduos orgânicos que não necessitam ir para os aterros, o representante da AMLURB, Antonio Storel, e da empresa INOVA (responsável pela varrição das ruas da cidade), Eugenia da Costa, estiveram em Florianópolis para conhecer as iniciativas locais de compostagem.

Equipe no pátio de compostagem da Escola América Dutra Machado
Equipe no pátio de compostagem da Escola América Dutra Machado

A visita técnica integra o escopo de um projeto-piloto desenvolvido pela INOVA, cuja meta é a produção, até dezembro, de um primeiro lote de composto produzido a partir das sobras de feiras. Para tanto, sao amparados por um projeto técnico desenvolvido pelo Cepagro para a AMLURB, que prevê a construção de 2 centrais de compostagem, exclusivas para feiras, em aterros desativados.

Equipe visita obras do pátio no Lar Fabiano de Cristo (Florianópolis), que vai abrigar a expansão da Revolução dos Baldinhos. Sistemas de drenagem e caminhos de acesso as leiras compoem as melhorias, que devem ser adotadas em projetos de maior escala em Sao Paulo
Equipe visita obras do pátio no Lar Fabiano de Cristo (Florianópolis), que vai abrigar a expansão da Revolução dos Baldinhos. Sistemas de drenagem e caminhos de acesso as leiras compoem as melhorias, que devem ser adotadas em projetos de maior escala em Sao Paulo

Nesta primeira iniciativa, enquanto os pátios ainda nao forem executados (a previsão é de um prazo de 2 anos para sua construção), a empresa INOVA vai realizar a compostagem em uma Ecopraça no entorno da subprefeitura da Vila Maria / Vila Guilherme, adequando inicialmente a estrutura de coleta em 12 feiras da região. A Ecopraça já é um ponto utilizado pela população para descarte de grandes volumes, como móveis usados, cuja madeira é triturada e servirá de insumo a compostagem.

Na vanguarda das adequações para a nova legislação nacional de resíduos sólidos, a cidade tem mostrado várias iniciativas inovadoras, como o projeto Composta São Paulo, que investiga os hábitos dos moradores quanto a destinação dos resíduos orgânicos em paralelo com a doação de 2000 composteiras domésticas. Para ações com grandes geradores, como as feiras, a inspiração vem do método empregado localmente pelo Cepagro na Revolução dos Baldinhos e outros programas.

Visita ao Camping do Parque do Rio Vermelho, que composta 100% de seus resíduos orgânicos. Storel é um grande entusiasta da compostagem como método de regeneraçao de áreas degradadas, sobretudo em parques e unidades de conservaçao
Visita ao Camping do Parque do Rio Vermelho, que composta 100% de seus resíduos orgânicos. Storel é um grande entusiasta da compostagem como método de regeneraçao de áreas degradadas, sobretudo em parques e unidades de conservaçao

Trata-se da compostagem termofílica em leiras estáticas, também conhecida como “método UFSC”, uma vez que foi adotada em larga escala para reciclagem das sobras orgânicas nesta instituição, capitaneada pelo doutor em Agronomia Paul Richard Muller. Demandando pouco investimento em infraestrutura, a compostagem começa com a separação dos resíduos orgânicos na fonte geradora, para então serem dispostos em uma combinação ideal com compostos de carbono presentes em palhadas, folhas secas e cavacos de madeira, criando ambiente para bactérias fungos que degradam a matéria de maneira controlada em poucos meses.

DSC_0014
Em parceria com a Associaçao Orgânica, empresa de limpeza urbana de Florianopolis composta 90 toneladas de resíduos orgânicos de grandes geradores, como supermercados e restaurantes

Encontro em Florianópolis aborda tema de Redes para inspirar Agricultura Urbana

 

encontro-agriurb_CARTAZ

Tendência mundial em iniciativas que promovem a terapia laboral, a alimentação saudável e o planejamento urbano sustentável, a Agricultura Urbana congrega um Encontro municipal que ocorrerá na tarde de sábado, 08/08/2015. O evento ocorre no Camping do Rio Vermelho, e pretende engajar a sociedade civil na discussão sobre Redes de trabalho, convergindo esforços no intercâmbio de experiências e na proposição de políticas públicas para o segmento.

Através de um movimento iniciado pela Secretaria Municipal de Saúde, a proposição de uma Rede abre diálogos entre iniciativas reconhecidas e outras ainda invisibilizadas, que de toda maneira contribuem para uma melhor qualidade de vida urbana. No evento de sábado, a pesquisadora Juliana Moser Luiz, doutora pela Universidade de Coimbra, contribui com panorama sobre o contexto da práticas em Agricultura Urbana no Brasil e no mundo. Na sequência de sua fala o presidente do CONSEA/SC e coordenador urbano do Cepagro, Marcos José de Abreu, situa o tema na perspectiva do gerenciamento comunitário de resíduos orgânicos e segurança alimentar. Leandro Pereira Garcia , Diretor de Vigilância em Saúde de Florianópolis, contribui com o histórico da “Rede Vida no Trânsito“, ilustrando os passos para consolidação dos movimentos em rede.

A participação é gratuita e deve ser confirmada pelo e-mail parquedoriovermelho@gmail.com.

 

 

Na TV, prefeitura de Florianópolis compromete-se a resolver impasse sobre terreno para pátio de compostagem

No Jornal do Almoço de hoje, o secretário de Habitação e Saneamento Ambiental de Florianópolis, Domingos Zancanaro, comprometeu-se com o mes de agosto  como prazo para solução do impasse sobre cessão de terreno para pátio de compostagem da Revolução dos Baldinhos. Clique na imagem para ver o vídeo.

Captura de tela 2015-07-13 às 15.53.24

 

Em matéria de capa no Diário Catarinense, Revolução dos Baldinhos revela morosidade do poder público na contrapartida para utilização de recursos

É sempre uma honra ter o reconhecimento da Revolução dos Baldinhos estampado numa capa de jornal de grande circulação e tiragem, como esta do Diário Catarinense de hoje (03/07/2015). Registramos nossos agradecimentos pelo espaço cedido e especialmente ao repórter fotográfico Guto Kuerten, que propôs e realizou a pauta.

Alguns esclarecimentos são necessários para melhor compreensão do assunto tratado:

– O convênio com a FAPESC citado na matéria é um projeto de pesquisa encabeçado pela UFSC, tendo COMCAP e FATMA como parceiras e o Cepagro como consultor. É um projeto com diversas contrapartidas científicas, como publicação de artigos em revistas e congressos, capítulos de livros e a produção editorial de 2 produtos de sistematização impressos, sendo um Boletim Técnico com parâmetros para pequenos pátios de compostagem (com dimensões para atender 73,8% dos municípios catarinenses, com população na faixa dos 20 mil habitantes e produção de 10 ton/dia de resíduos orgânicos), e uma Cartilha, agregada de um curto vídeo, para descrição e replicação do método utilizado na Comunidade Chico Mendes em outras organizações populares.

– Tal convênio prevê ainda um recurso de R$ 150 mil para aquisição de máquina carregadeira, obras de drenagem e cercamento de uma área de 5.000 m2 no Bairro Monte Cristo, visando a instalação de um pátio de compostagem, e não a compra da referida área, conforme erroneamente apontado pela reportagem. Para uso da verba há contrapartidas legais da administração pública, sendo que foram realizados o decreto de utilidade pública da área, de posse da multinacional Walmart, e alocação de verba na Lei Orçamentária Anual para a indenização decorrente do decreto, além de um documento anexo assinado pelo prefeito César Souza Junior com o aceite sobre a finalidade e a liberação deste recurso. A partir deste ponto, no entanto, não observou-se qualquer ato concludente dos trâmites, cujo desfecho corre sob responsabilidade da Secretaria Municipal de Habitação e Saneamento Ambiental e da COMCAP.

– É lamentável a morosidade dos entes públicos em dar encaminhamentos à questão, resultando em sucessivas prorrogações e agora na iminência de expirar o prazo para uso da verba negociada junto à FAPESC. Seria uma perda imensurável para uma comunidade historicamente assolada por problemas diversos e que, não obstante sua baixa envergadura no ranking dos indicadores sociais, tem provado ao município, ao país e ao mundo que é possível uma abordagem ecológica e descentralizada para o tratamento dos resíduos sólidos urbanos. Cabe aqui esclarecer que não recai sobre a FAPESC qualquer impedimento ao acesso à referida verba, tendo inclusive flexibilizado prazos para o cumprimento de trâmites, mas que em sua conduta regimental estabelece regras para a correta e transparente aplicação dos recursos públicos, sendo clara a respeito de ônus decorrentes de intempestividades contratuais.

– A Revolução dos Baldinhos não é um projeto de “coleta de lixo”, mas, de fato, uma Tecnologia Social para segregação dos resíduos orgânicos na fonte geradora, contando com a permanente sensibilização das famílias envolvidas, visando uma excelente matéria-prima que é coletada e manejada pela própria comunidade, e que retorna em fertilidade nos solos locais promovendo a Agricultura Urbana e a conseqüente Segurança Alimentar e Nutricional, além de excedentes de adubo cuja comercialização e renda serão operadas por uma associação comunitária em fase de criação.

– O projeto existe há 7 anos e sobrevive graças a prêmios e editais conquistados pelo Cepagro, sempre com o apoio do grupo comunitário e das organizações locais, garantindo o pagamento da equipe fixa de trabalho e as articulações em torno da aceitação e permanência da prática da compostagem em uma área de uso público (no atual momento, o pátio da Escola América Dutra Machado). Neste período, o engajamento dos poderes públicos locais foi praticamente nulo, provocando sérias limitações às iniciativas comunitárias, que ainda assim mantém resultados perfeitamente visíveis e mensuráveis, inspirando, entre outros processos, a replicação em condomínios de habitação popular Brasil afora.

– Apesar de estar cada vez mais incorporada ao discurso de gestores públicos locais, é preocupante que iniciativas como a Revolução dos Baldinhos e outras que se espalham pelo município ainda careçam de regulamentações públicas específicas, como a urgência do acesso ao Fundo Municipal de Saneamento para pagamento pelos serviços de limpeza realizados pelo grupo comunitário, e a criação de áreas urbanas adequadas em tamanho e instalações para a efetiva implementação de pátios de compostagem descentralizados, sob pena do desaparecimento destes projetos que em muito contribuem para a economia de recursos e a promoção da qualidade ambiental na cidade.

Fernando Angeoletto – Coordenador de Comunicação (Cepagro)

Marcos José de Abreu – Coordenador urbano (Cepagro) e presidente do CONSEA/SC

clique na imagem para ler a matéria na íntegra

Captura de tela 2015-07-03 às 10.18.15

Reportagem reforça crescimento da compostagem e hortas urbanas em Florianópolis

No último domingo, uma extensa reportagem do jornal Notícias do Dia (Florianópolis) destacou um fenômeno urbano em expansão: o surgimento de cultivos em terrenos públicos e privados da cidade.

Além disto, mostrou como os gestores públicos estão incorporando o discurso da ciclagem de nutrientes (compostagem) para geração de fertilidade e fomento à agricultura urbana, abandonando a prática equivocada de jogar resíduos orgânicos no aterro sanitário.

Clique na imagem para ler na íntegra.

Captura de tela 2015-06-30 às 11.31.56

Conferência constrói propostas para Segurança Alimentar e Nutricional em Florianópolis

por Fernando Angeoletto / Cepagro (texto e fotos)

A centralidade do alimento nas discussões globais é um dos reflexos para as projeções que apontam, para 2050,  o nascimento do décimo bilionésimo habitante do Planeta Terra. Diante dos desafios de garantir o direito universal ao alimento a este expressivo contingente, ofertando-lhes comida de verdade e cumprindo as agendas de minimizar os impactos ao ambiente, diversos debates e iniciativas são realizados em escala mundial – da ecogastronomia ao ressurgimento de mercados locais, passando pelo enfrentamento aos alimentos transgênicos e a formulação de políticas públicas, ainda que tímidas, para a ampliação das práticas agroecológicas em territórios de agricultura familiar.
Embora com atraso, já que somos a única capital brasileira ainda não aderida ao SISAN, na última semana Florianópolis realizou um importante passo como articuladora local desta política pública, construída há mais de uma década, que insere a temática da Segurança Alimentar e Nutricional (SAN) em um processo intersetorial e dialogado com a sociedade civil. Através da III Conferência Municipal, o município utilizou o recém-criado COMSEAS (Conselho Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável) para realizar um diálogo ampliado  e a construção de propostas, alinhadas em 3 eixos temáticos, que serão encaminhados ao Executivo local.

O recém-criado COMSEAS empenhou-se na organização da Conferência
O recém-criado COMSEAS empenhou-se na organização da Conferência

Como palestrante convidado a discutir o tema central da Conferência – “Comida de Verdade no Campo e na Cidade, por Direitos e Soberania Alimentar” – o Mestre em Agroecossistemas e presidente do CONSEA/SC Marcos José de Abreu esclarece que a conceituação de SAN, e seu conseqüente entendimento sobre segurança, deve estar menos relacionado a aspectos sanitaristas e mais preocupado com a garantia ao Direito Humano à Alimentação Adequada (DHAA). “Nesta vida pós-moderna, onde a demanda por equipamentos como restaurantes e lanchonetes para se alimentar torna-se um a necessidade crescente, muitas vezes o simples fatos de ter alimentos frescos e poder cozinhar em casa já configura esta ‘Comida de Verdade’”, ilustra.

O presidente do CONSEA/SC defende que o conceito de segurança deve estar atrelado ao DHAA
O presidente do CONSEA/SC defende que o conceito de segurança deve estar atrelado ao DHAA

Em que pese ainda o aspecto da segurança do alimento, Marcos enfatiza que o verdadeiro vilão é o agrotóxico, e que poderíamos ter uma lei para banir seu uso em todo o município. Considera ainda fundamental a discussão de SAN na perspectiva de um território bem peculiar, dadas as dimensões e restrições de circulação da parte insular, onde concentra-se mais de 90% do município de Florianópolis. “A gestão de resíduos orgânicos faz parte deste olhar intersetorial. Não podemos seguir jogando fertilidade no lixo, para depois mandar tudo a um aterro com alto custo econômico e ambiental”, defende ele, relacionando a prática da compostagem ao potencial para amplificar a agricultura urbana e o acesso a alimentos frescos. Espelhando-se em exemplos locais de reconhecida eficiência, como a Revolução dos Baldinhos, este discurso já transcende o que seria um horizonte longínquo e incorporou-se ao propósito de gestores locais, conforme defendeu recentemente o presidente da COMCAP, Marius Bagnatti, em ampla reportagem sobre o tema publicada no Jornal Notícias do Dia.

DSC_3728
A Comida de Verdade servida no evento, composta por matérias primas locais e agroecológicas, fluiu com o toque do chef Fabiano Gregório e ativistas locais do movimento Slow Food

Ao concluir suas rodadas de discussões e formulação de propostas, que serão disponibilizadas em breve, a III Conferência Municipal homologou também as candidaturas de delegados à V Conferência Estadual de SAN, que acontecerá em agosto. Nos documentos abaixos, divididos por Sociedade Civil e Governo, estão listados os 15 delegados, as organizações a que pertencem e seus suplentes.

Delegados V Conferencia Estadual – Sociedade Civil

Delegados V Conferencia Estadual – Governo

 

 

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 58 outros seguidores