Florianópolis recebe o Festival “SANTA CATARINA AGROECOLÓGICA”

O evento acontece de 6 a 8 de outubro e engloba o Seminário “Mulheres e Agroecologia” e o 11º Encontro do Núcleo Litoral Catarinense da Rede Ecovida de Agroecologia. A promoção é do Cepagro e do Grupo Meiembipe da Rede Ecovida de Agroecologia, com apoio da Inter-American Foundation e Fundação Banco do Brasil. Em breve, traremos mais informações nesta página, ou escreva para nucleolitoralcatarinense@gmail.com. 

arte-festival--WEB

Anúncios

Projeto Misereor em Rede realiza novo encontro no Campeche

Participantes do Projeto Misereor em Rede, articulado pelo Cepagro junto com outras 3 organizações do Sul do Brasil, realizaram novo encontro para troca de experiências e saberes no Campeche na última quinta, 21 de setembro.

O grupo de agricultura urbana fomentado pelo projeto Misereor em Rede já se encontra regularmente para trocar informações e construir ações para melhorias das atividades junto à comunidade. Na última quinta, as atividades iniciaram com uma visita a propriedade da astróloga Guitel Zaslavsky, seguindo depois para uma pequena agrofloresta com diversas árvores frutíferas no Campeche.

Houve ainda troca de sementes e colheita de feijão guandú. Participaram das atividades representantes do Conselho Regional de Assistência Social (CRAS) do Morro das Pedras, que discutiram como a agricultura urbana pode melhorar o ambiente do bairro junto aos moradores.

O objetivo dos encontros é promover intercâmbios de saberes por meio de visitas domiciliares, conhecendo as experiências de hortas nas residências.

Equipe Cepagro dialoga com Associação de Preservação do Meio Ambiente e da Vida (APREMAVI)

Os técnicos da equipe do rural do Cepagro Gisa Garcia, Henrique Romano, Francys Pacheco e Charles Lamb visitaram no dia 19 de setembro a sede da Associação de Preservação do Meio Ambiente e da Vida – Apremavi, em Atalanta (SC), a 180km de Florianópolis. A visita teve como objetivo estreitar os laços entre as instituições e dialogar sobre possíveis parcerias de trabalho no planejamento e gestão de paisagens sustentáveis, principalmente nas ações ligadas à agroecologia, regularização ambiental e restauração de áreas degradadas.
A Apremavi tem como missão trabalhar pela defesa, preservação e recuperação do meio ambiente, dos bens e valores culturais, buscando a melhoria da qualidade de vida na Mata Atlântica e outros biomas. A ideia da parceria é que, através de intercâmbios de experiências e de capacitação técnica, a Apremavi contribua nas ações que o Cepagro realiza junto ao seu público. “A visita só reforçou que a ‘mudança é possível’ e que a parceria é essencial para somar as forças”, avalia a engenheira agrônoma Gisa Garcia, da equipe Cepagro.
Com informações de Gisa Garcia e fotos da equipe Cepagro

Lançamento do Observatório de Inovação Social de Florianópolis

O Cepagro integra a rede de iniciativas identificadas pelo Observatório de Inovação Social de Florianópolis, uma nova plataforma digital que será lançada em 21 de setembro, às 18:30, no auditório da Esag – Udesc. A plataforma é colaborativa, de livre acesso, que visa mapear, dar visibilidade e fortalecer a rede de Inovação Social na região da capital catarinense. Confira mais sobre o Observatório de Inovação Social de Florianópolis no vídeo de lançamento!

 

História, Geografia e Cultura Indígena são cultivadas na horta pedagógica de Antônio Carlos

No início de setembro, as turmas do 3º ano da Escola Municipal Dom Afonso Niehues, em Antônio Carlos (SC), onde o Cepagro está implementando uma horta pedagógica, tiveram uma vivência diferente: coordenadas pelos técnicos Karina Smania de Lorenzi e Ícaro Pereira, as crianças plantaram uma roça indígena. “Levamos música dos índios guarani e alguns artefatos como cestas, tipiti, peneiras de açaí. Trabalhamos a importância que teve e tem o indígena das Américas na nossa alimentação, pois muitos dos alimentos que comemos hoje foram os índios que iniciaram o cultivo”, explica Karina.
Karina e Ícaro mostraram alguns dos alimentos originários das Américas, como mandioca,  batata-doce, batata, milho, amendoim, abacaxi, feijão, abóbora, girassol, tomate, taiá. “Levamos também urucum, lembrando que esta planta era utilizada pelos indígenas para repelente de insetos e protetor solar. Neste momento muitos alunos lembraram que as mães utilizam o urucum como colorau”, completa Karina.
Foram construídos 3 canteiros, sendo um deles o formato sugerido pelos/as estudantes, de estrela.
“Todas essas plantas, raízes e sementes mostradas na atividade foram plantadas no canteiro, num espaço onde chamamos de roça indígena. Os alunos ficaram a vontade em tirar os calçados e trabalhar com o pé na terra”, conta Karina.

Sensibilização de consumidores é um dos focos do Projeto Misereor em Rede

Eduardo Rocha, da equipe do projeto e presidente do Cepagro, facilita a oficina de SAN na Escola Sul da CUT

O projeto do Cepagro com outras três organizações do Sul do Brasil (AS-PTA, Vianei e CETAP) trabalha na sensibilização e articulação de consumidores e consumidoras para que optem por alimentos agroecológicos sempre que possível. No sábado 19 de agosto, por exemplo, a equipe do projeto facilitou uma oficina sobre Segurança Alimentar e Nutricional na Escola de Formação Sindical Sul da Central Única de Trabalhadores (CUT), no bairro Ponta das Canas, para cerca de 15 pessoas, consumidores/as da Feira que acontece ali quinzenalmente aos sábados. “Foi uma roda de conversa bem interessante, discutindo o papel do consumidor dentro da teia de produção e consumo”, afirma Erika Sagae, da equipe do projeto.

No sábado seguinte, 26 de agosto, a equipe do projeto participou de uma atividade na escola SOCIESC, no bairro Itacorubi. Numa parceria com o Laboratório de Comercialização da Agricultura Familiar (LACAF-UFSC), foi feita uma sensibilização com pais e mães dos/as estudantes sobre o funcionamento de células de consumo de alimentos agroecológicos.  O objetivo foi divulgar e ampliar o número de consumidores de produtos agroecológicos que circulam ali, já que toda 6ª feira os agricultores do grupo Flor do Fruto da Rede Ecovida entregam alimentos no estacionamento da escola.    “Montamos uma stand e a medida que os pais iam circulando pela escola e nos perguntavam , explicávamos como funciona a célula de consumo”, conta Erika Sagae.

Projeto Misereor em Rede: articulando estudantes, técnicos/as e agricultores/as

 

Atividades do Projeto Misereor em Rede movimentam o Campeche

Entre rodas de conversa e intercâmbios de saberes, o Projeto Misereor em Rede tem movimentado e dado visibilidade às agriculturas urbanas do bairro Campeche, no Sul da Ilha de Santa Catarina. As atividades reúnem representantes de hortas comunitárias, agricultores/as urbanos/as, funcionários de Centros de Referência em Assistência Social (CRAS) e Postos de Saúde, além de parcerias da Epagri, proporcionando ricas trocas de saberes e experiências – além de saborosos momentos de degustação com Plantas  Alimentícias Não Convencionais (PANCs).

No dia 18 de agosto, uma 6ª feira, 12 participantes do projeto  se reuniram no Jardim do Simples – quintal produtivo no Campeche – para iniciar a discussão sobre Agricultura Urbana no âmbito da Rede Ecovida de Agroecologia.  “O Jardim do Simples é um espaço particular no Campeche com uma proposta de fomentar atividades de interação com a comunidade . Lá foi possível visitar o banheiro seco, o galinheiro e uma área com mais de 30 espécies frutiferas e PANCs”, conta Erika Sagae, técnica de campo do projeto e doutoranda em Geografia com a temática de Agricultura Urbana.  Ela avalia que “criou-se um laço de amizade entre as pessoas”. Como encaminhamento desta atividade, o grupo decidiu que fará encontros periódicos, visitando outras hortas urbanas e experiências de Agricultura Urbana em Florianópolis.

Na semana seguinte, no dia 24 de agosto, cerca de 40 pessoas, entre profissionais dos postos de saúde do Ribeirão da Ilha, Caieira da Barra do Sul e Tapera, além de moradores do Ribeirão participaram de um intercâmbio na Horta Comunitária do PACUCA, o segundo de uma série de 4 atividades em parceria com a Epagri com a temática de PANCs.  A proposta foi trazer elementos teóricos, preparar receitas e também mobilizar a comunidade para atividades comunitárias. Além da visita à Horta do PACUCA, os/as participantes fecharam a atividade com um saboroso lanche a base de PANCs no Jardim do Simples.  “É importante ressaltar o interesse das pessoas em participar das atividades. Do primeiro encontro, com 15 pessoas, para este segundo tivemos um aumento considerável de participantes”, afirma Erika Sagae.